Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

02
Jan21

RESPIRAR POESIA A CATARSE IV * EXORTAÇÃO DA PAZ DO AMOR E DA HUMANIDAE!

samueldabo

mar grosso5.jpg

foto jrg

 
RESPIRAR POESIA
A CATARSE IV
*
EXORTAÇÃO DA PAZ
DO AMOR E DA HUMANIDAE
*
exorto as consciências Humanas
a cultivarem a Paz
a insurgirem-se contra o Êxodo
de migrantes pela fome
e de refugiados pela pandemia da guerra
*
exorto as consciências Humanas
a partilharem Amor
por onde houver ódio raiva ganância
façamos do Amor a ponte
que dê a todos a dignidade de existir
*
exorto as consciências Humanas
a Serem conscientes
da dimensão da sua própria Humanidade
a manterem intacta a natureza
não consumindo dela mais que o necessário
*
de mãos dadas pela vida fora
irmãos Amigos Amantes
construiremos antes que o caos nos destrua
um mundo justo e mais equilibrado
onde seja possível respirar cantando a poesia
jrg
foto jrg
25
Abr20

DEPOIS DO VÍRUS A CATARSE - A DIGNIFICAÇÃO DO SER MULHER

samueldabo

quarentena NUNO.jpg

 

desenho de Nuno Gonçalves

*

DEPOIS DO VÍRUS

A CATARSE

A DIGNIFICAÇÃO DO SER MULHER

*

e agora

nem há profetas

nem apóstolos da desgraça

só silêncio hora a hora

com palavras gritantes infectas

a encher o vazio da praça

*

olho em volta

perscruto o pipilar das aves na rua

ladra o cão miam gatos

angustiante o grasnar da gaivota

talvez fome culpa tua

que não lhes rapas os restos dos pratos

*

os agiotas os egoístas

ainda há pouco no auge tão poderosos

a inveja e a ganância

sobram ainda espertos e oportunistas

os ignorantes caprichosos

quero vê-los a todos engalfinhados à distância

*

emboscado o bicho espreita

também ele a sua oportunidade de sobreviver

como que sabendo da fragilidade humana

predador maior que nem a si próprio e os seus respeita

encurralado com medo de sofrer

confinado ao silêncio que dilacera e a alma engana

*

os sabichões fazem apostas

eles sabem tudo onde outros não sabem nada

fingem-se fortes com impunidade

isto vai acabar se ficarem dentro de portas

enquanto o pânico toma conta da manada

que é feito do humano pensador que dá luz à liberdade

*

será que o jogo acabou

penso ao ouvir estalar as cartilagens da cabeça

os tímpanos numa confusão de ruídos

passeio à volta da mesa redonda onde estou?

a ficar louco embora a mim não pareça

vou à janela aspirar do mar da maresia os fluidos

*

vi na guerra soldados impacientes

quebrando o silêncio com tiros de metralhadora

sem ser por nada para se ouvirem

vi gente fazer discursos inflamados incipientes

prometendo mesa farta à manjedoura

sem se darem conta do ridículo da vertigem

*

mas um micróbio invisível

aterrorizar o mundo humano quase inteiro

espalhar o pânico o salve-se quem puder

as cidades desertas com medo dum vírus desprezível

os arrogantes apeados do poleiro

eis a luz catártica mutante que exibe o Ser Mulher

*

afinal ainda há uma hipótese

neste jogo entre a vida abundante e a morte rasa

uma mutação do inconsciente

ao acordar ouvimos uma melodia que toca em apoteose

um novo conceito de viver uma nova casa

a Paz o amor a Humanidade para toda a gente

jrg

13
Abr19

PAZ - AMOR - HUMANIDADE

samueldabo

Biblioteca livre.jpg

foto de Nuno Gonçalves

*
P A Z - A M O R - H U M A N I D A D E
*
junto as palavras
soletro os tons da sonoridade
que elas emitem
assim como só eu as soletro
H U M A N I D A D E
num grito gritado à beira mar
no retorno do meu grito
as palavras P A Z e A M O R ecoam
unas absolutas
propagam-se em ondas sonoras
atravessam oceanos
adejam pelo ar à procura de abrigo
salvem a P A Z
que as palavras venenosas agridem
salvem o A M O R
cativo do medo da ganancia do ódio
salvem a H U M A N I D A D E
perversamente ameaçada de extinção
pelas palavras dispersas
atiradas ao mundo em contra-mão
por agentes infiltrados
que usurparam a dignidade humana
exorto-as às palavras
livres e plenas de fraternidade
que invadam as mentes
e se fixem no raciocínio humano
porque o planeta é grande
e chega para todos se bem gerido
 
P A Z - A M O R - H U M A N I D A D E
 
jrg
28
Abr18

DESEJOS À CHUVA

samueldabo

 

Chuva.jpg

 imagem pública tirada da net

*
DESEJOS À CHUVA
*
a chuva espalha a penumbra
pelos recantos da casa
enche as almas de melancolia
corpos sentados à sombra
desejos contidos numa pausa
a ouvir no mar a maresia
*
almas e corpos desassossegam
em abraços compulsivos
silêncio e os toques eléctricos
nos sonhos que navegam
nas pingos de chuva invasivos
que seduzem patéticos
*
gotas de água pura deslizantes
no silêncio da vidraça
dão um encanto mágico à janela
silenciosas e amantes
servem o desejo erguem a taça
gota de água tão bela
*
jrg

31
Dez12

A POESIA RESPONDE: PRESENTE !!!

samueldabo

imagem pública tirada da net

**

A POESIA RESPONDE:
PRESENTE !!!

***

a poesia
veste-se nas cores de sépia
transpira
troca a mera fantasia
que arrepia
dança a valsa quando toca o vira
*
a poesia
veste-se de adúltera
passa a perna
utiliza subtilmente a cortesia
rebola e espera
pela amizade fraterna
*
a poesia
veste-se de esperança
grita liberdade
exalta a visão da miopia
na mão duma criança
que pede um pão à caridade
*
a poesia 
veste-se na forma de combate
arma-se d'espinhos 
explode na investida faz razia
carrega amor toca a rebate
recua avança esconde os ninhos
*
a poesia
veste-se de fome e amargura
atira palavras recheadas
agasalhos coragem licor de malvasia
arrasa a razão pura
salva crianças das enchurradas
*
a poesia
veste-se de pele tão feminina
apara o futuro esperançada
contra-ataca a medíocre epidemia
resiste à estricnina
espalha humanidade afiançada
*
a poesia
veste-se da luz do amor
regressa esbaforida
ganhou a guerra salvou a primazia
do homem livre sem temor
ninguém mais se atreverá a matá-la em vida
jrg

08
Nov12

SOU DO SIGNO MASCULINO...COM ASCENDENTE EM MULHER!!!

samueldabo
imagem pública tirada da net

*
SOU DO SIGNO MASCULINO..
COM ASCENDENTE EM MULHER!
**
pintei-me
da palavra liberdade
esculpi-me
na palavra humanidade
gravei-me
em palavra dignidade
depois morri
*
porque liberdade
sem ser livre
não fazia mais sentido
viver apenas
para sobreviver à matança
de inocentes virtudes
que a vida simples trazia
*
porque a humanidade
sem humanismo
sufocava carente de amor
solidificava a solidão
me condenava à tortura
de morrer só
no azedume da alma indignada
*
porque a dignidade
sem o usufruto ou dignitude
me fazia escravo
sem alento raiado de ódio e desamor
oco de pensamento
mesquinho absurdo e indiferente
a meu próprio ser
*
porque morri
deixo-vos escrito o que já não sou
apagado do rol
dos próximos a pilhar
o meu riso ecoa do mundo dos mortos
não me levam mais nada
ah ah ah fiquem com a minha herança
*
nem o ar empestado
nem a água inquinada de sofreguidão
terra queimada
ardendo dos meus ossos em combustão
o que vos deixo é o enfado
de se odiarem até à exaustão
famintos de amor
*
algures no ano um
duma nova era esplendorosa
um punhado de gente sã
que por ser criança mantinha intacta a inocência
reinventou a partilha
de cada acto de viver a nova esperança
livres dignos humanos
*
então voltei
feito signo masculino
com ascendente em mulher
na acalmia do vento sorri
porque vi a alma nova
nem luxúria
nem inveja ódio nem cobiça
*
autor: jrg
06
Set12

ABISMOS DA POESIA...

samueldabo

imagem pública tirada da net

**

ABISMOS DA POESIA

«««//»»»

 

poetas são loucos finos
inventam a fantasia
guerreiros inda meninos
abismos da poesia

poetisa de alma sensível
em verso cheio de luz
qual militar sendo cível
lança poemas seduz

cantam de musas amores
sonham imortalidade
poetisas sábios rumores
no ventre da verdade

trago um cálice de vinho
para a orgia da ceia
não quero rimar sozinho
antes preso a tua teia

poetas são anjos desgraça
travam rixas graciosas
não escolhem arma ou praça
calam musas preciosas

que fazer perante a poesia
se a alma sente e gera
palavras agridoce maresia
amores do corpo à espera

quem na humildade se esmera
e numa poetisa se arrima
tem alma poética e pondera
sublima-la em obra prima

Autor: J.R.G.

07
Abr12

MEU AMOR É POESIA !...

samueldabo

 

imagem pública tirada da net

*

MEU AMOR É POESIA !...
*
a poesia é como o amor
um sentimento de dar e receber
tão profundo que enlouquece
vento que agita as pétalas da flor
fogo que apetece nele arder
água sangue que a paixão aquece
ar que suaviza a nossa dor
*
é mansa brisa ou vento agreste
se brisa toca suavemente
se vento exalta o pensamento
se mansa de lírica veste
se agreste encanta docemente
é a alma em movimento
beijo de luz abraço se amor disseste
*
é fogo que lavra ardentemente
é chama azul vermelha ou amarela
cintila na alma com esplendor
é fogo de paixão que germina a mente
que explode em cor de aguarela
se arde lentamente é doce tão de amor
se louca de emoção invade a gente
*
autor: jrg

10
Jul11

ÉCLOGAS DA ALMA...I

samueldabo
 
 








foto pública tirada da net

ÉCLOGAS
{#emotions_dlg.redflower}
I
EU

o homem a nu
o corpo a alma
sem deus
sem pátria
sem amo
faminto de amor
a despertar
dum sonho longo
há tantos milénios
acorrentado é o que sou

autor: jrg


ÉCLOGAS
{#emotions_dlg.blueflower}
II
MEDO

quanto de mim de ti
é segredo oculto
por mais que
me e te aprofundes
me e te arrojes
me e te exponhas ao risco
que grite me grites
somos o resultado agreste
de mutações paranormais
paz e guerra palavras é o que sou...és
autor: jrg

ÉCLOGAS
{#emotions_dlg.orangeflower}
III
AGUARELA!...

pinto o teu retrato
a tinta desmaiada d'aguarela
fixo os olhos
a sensualidade dos lábios
o sorriso de mil cores
e pinto a sombra da alma
que adeja algo perdida
sobre um feixe de luz
a tua sombra
emboscada no eclipse lunar

autor jrg

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2021
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2020
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D

Em destaque no SAPO Blogs
pub