Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

01
Jan16

BRINDO A UM ANO DE CONSCIÊNCIA HUMANA!

samueldabo

anonovo1-150x150.gif

 

 
BRINDO A UM ANO DE CONSCIÊNCIA HUMANA!
 
A todas as minhas amigas...a todos os meus amigos atiro palavras ao tempo, angustiado pela desumanidade das relações humanas, entre famílias, entre grupos, comunidades e estados...penso MÁTRIA...exorto a consciência feminina para que se faça luz...a luz diáfana do amor...do humanismo...para que 2016 nos faça pensar um novo sistema de organização da vida...que 2016 nos iniba de ter medo...o medo de perder privilégios...o medo de não ter...ter...ter...que 2016 nos permita a veleidade de sermos mais humanos...intransigentes para com a desumanidade...que 2016 nos permita sermos mais racionais...usando a inteligência para nos desenvolvermos enquanto espécie livre de todos os preconceitos que as normas e as religiões, ao longo de milénios, nos impuseram como sacras...
jrg
dedico-vos estas palavras que alinhei em jeito de poema:
 
estalam foguetes
gritos e vivas
apodrecem nas sarjetas
os restos de iguarias
escorrem regatos de champanhe
apertam-se os corpos
beijam-se as faces os lábios
aquecem promessas
rogam-se desejos de mudança
enfim os sorrisos
rasgam de esperança
os rostos sombrios
que vagueiam na noite à procura
dum tempo novo..
jrg
08
Mai13

LIVRO...A insurreição das PALAVRAS... CONVITE

samueldabo
***
SÍSIFO CONDENADO
*
quando eu nasci de mim
os deuses olharam-me de soslaio
mediram o tempo na ampulheta
e decidiram por unânime frenesim
que não me tornariam lacaio
nem a ferros me prendiam à grilheta
*
segui humildemente
encosta acima como Sísifo condenado
não de lacaio mas de jumento
a carregar um fardo enxuto de semente
perdendo os créditos se cansado
se me esforçasse garantiam um aumento
*
subi por minha conta e risco
a confiar que o pacto divino era sagrado
que ao chegar ao cimo da estopada
nenhum ladrão ou deus sequer o fisco
me cortariam o casco sendo roubado
por não poder ir mais além velho e cansado
*

dei coices espinoteei
fiz queixa mas fui alvo do riso da chacota
trabalhei muito ganhei demais
o erro foi de quem me pagou fora da lei
se pobre não ganhava pr’á palhota
como fora eu capaz de ganhos tantos de tais
*
fui ver e era tão pouco
mal chegava tiradas as taxas e penhoras
mais os aumentos abrangentes
para ser por um só mês o tipo louco
de pagar rendas a horas
e comer todos os dias refeições quentes
*
decidi não saudar o ano novo
tanto se me dá que seja bom ou seja mau
tão pior que ser um pobre rico
é a pilhagem que o poder faz ao povo
que em cada mão renasça o pau
que há-de correr sem medo o mafarrico
*

autor: joão raimundo gonçalves

(poema inserido no livro: A insurreição das PALAVRAS)

08
Out12

PARABÉNS ANA MARIA... UM POEMA E DUAS CANÇÕES DE ESPERANÇA!!!

samueldabo


Ana Maria Pinto-Soprano
***
PARABÉNS ANA MARIA... 
*
UM POEMA E DUAS CANÇÕES DE ESPERANÇA!!!
**
mas havia ainda bem
outra surpresa 
de sublime encanto
no dia em que a República
centenária fazia anos
depois da bandeira 
hasteada inversamente
e da "plebeia" que ousou
perturbar aquela ilustre gente
clamando justiça
uma voz de timbre altissonante
Ana Maria lírica cantora
eleva a resistência bem avante
no seu porte firme de mulher
*
a voz impelida p'la paixão
do belo canto
ilustra em som diáfano
do poeta Cochofel
o poema que insiste em ser a arma
que incita o pensamento
a resistir dentro da toca dos tiranos
à força bruta
que à luz do dia fica impotente
mau grado a raiva
a voz ecoa no silêncio do medo
olhos nos olhos
com a crueza circunstante
e cala a oratória pestilenta
*
é a alma MÁTRIA Lusitana
na voz melodiosa
que estilhaça em tom agudo as consciências
eleva a voz do povo
chama ao combate os indecisos
num grito de mulher
a "Firmeza" do poeta e os sorrisos
duma criança a brincar
com o futuro lançado aos abismos
parece dizer
canto por ti Luísa por ti Maria
olha para eles
borrados de medo presos nas teias que teceram
para nós...canto a liberdade

 

autor: jrg


Ana Maria Pinto - foto pública
***
FIRMEZA
Sem frases de desânimo,
Nem complicações de alma,
Que o teu corpo agora fale,
Presente e seguro do que vale.
Pedra em que a vida se alicerça,
Argamassa e nervo,
Pega-lhe como um senhor
E nunca como um servo.

Não seja o travor das lágrimas

Capaz de embargar-te a voz;
Que a boca a sorrir não mate
Nos lábios o brado de combate.

Olha que a vida nos acena

Para além da luta.
Canta os sonhos com que esperas,
Que o espelho da vida nos escuta.

letra de João José Cochofel


***
Ana Maria Pinto foto pública
***
Acordai
acordai
homens que dormis
a embalar a dor
dos silêncios vis
vinde no clamor
das almas viris
arrancar a flor
que dorme na raiz

Acordai

acordai
raios e tufões
que dormis no ar
e nas multidões
vinde incendiar
de astros e canções
as pedras do mar
o mundo e os corações

Acordai

acendei
de almas e de sóis
este mar sem cais
nem luz de faróis
e acordai depois
das lutas finais
os nossos heróis
que dormem nos covais
Acordai!

letra de José Gomes Ferreira
01
Jan11

DE ENCANTAR TÃO DE TI TANTA BELEZA...

samueldabo

 

{#emotions_dlg.bouquete}

 

 

de súbito surge-me o teu rosto
tão linda airosa e bela
mau grado os sinais do fogo posto
que a ilusão deixou nela

 

quem foi no teu sorriso se apagou
a alegria de ser onda do mar
num vai e vem brilhante que cegou
amor que a tua alma faz gritar

 

fixo nos teus olhos doce ternura
dizem no silêncio que calas
a dor do erro humano que perdura
soa nas palavras que exalas

 

pode um ser mulher no preconceito
ser livre de virtude inteira
quando o amor que sente no peito
esbate como onda na barreira?

 

sondo a alma se foi magia feitiço
quero soltar nova a confiança
levantar mais belo o teu sorriso
a alegria feliz duma criança

 

por mais que doa o ser abandonada
ou do amor perdido a ilusão
uma onda é no mar força alternada
traz e leva a energia da razão

 

elevar-te ao Olimpo sendo a deusa
que partilha a alma solidária
por mais que a amargura te reduza
és onda do meu mar imaginária

 

de encantar tão de ti tanta beleza
num coração mulher humanidade
escrevo em cada verso amor e natureza
com palavras de mel e amizade


jrg

12
Dez10

SIMULACRO

samueldabo

já não se vêm mais os navios
na linha abaulada e recta do horizonte
a surgirem pequeninos frios
ali mesmo tão perto quase defronte

às vezes as ondas os cobriam
do meu olhar infante mas persistente
e logo os meus olhos sorriam
quando os lobrigavam mais à frente

havia o fumo escuro espesso
tocado a vento da alva e negra chaminé
alimentava meu sonho no começo
de correr esse outro mundo ali ao pé

de onde vista sobre água tanta gente
confinado a meu lugar interrogava
a alma em ânsias mistérios de quem sente
que outro mundo o mar inda desbrava

perdido o fascínio pelo desconhecido
na era fantástica do conhecimento
olho o mar vazio dentro de mim crescido
que me desinquieta o pensamento

jrg

19
Mar10

DE MANHÃ...

samueldabo

 

 

 

de manhã quando levanto

olho o espelho e vejo um rosto

o sono que nele se vai quebrando

ou no desassossego ainda em mosto

 ***

os olhos encolhidos a boca num esgar

a pele ressequida de suor

talvez um pesadelo o meu sonhar

e este gosto amargo na boca sem pudor

 ***

de manhã quando levanto

e me lobrigo entre pestanas entaramelado

balbucio o teu nome num quebranto

aspiro o teu cheiro agre adocicado

***

sinto ainda do teu corpo o quente

e sobe-me o aroma do teu odor

sou eu ou outro este que vejo e te sente

no acordar de cada sonho o teu calor


de manhã quando levanto

abro os olhos para te ver dentro de mim

sorrio ante a beleza do teu encanto

e sinto que és a mais bela flor deste jardim

***

mexo os lábios e digo bom dia

passo a mão sobre a pele os pelos duros

esboço um sorriso de harmonia

dou um grito a chamar os de mim mais puros

***

de manhã quando levanto

trago na alma o sabor e o perfume

da mulher de cujo amor sempre me espanto

tão duradouro aceso este meu lume

***

autor:JRG

14
Mar10

SE AMA MARIA SE AMA

samueldabo




 

se ama Maria se ama

vais ver que o amor

é da alma que o chama

e te cura minorando a dor

 

se ama Maria se ama

amando teu corpo a alma a dor

mulher inteira que clama

ser fêmea mãe amante amor

 

se ama Maria se ama

está chegando um novo alvor

no sorriso acesa a chama

menina fogo aroma de flor

 

Se ama Maria se ama

teu corpo de adolescente

a alma sobre ti à espera plana

Maria menina resplandecente

 

se ama Maria se ama

doce encanto o teu olhar

serás sempre a bela dama

que o mundo quer amar

 

se ama Maria se ama

não importa ciúme a indiferença

sua beleza é que a trama

e esse seu sorriso de criança

 

se ama Maria se ama

há tanto amor em teu redor

apenas não te iludas na fama

é aura que limita e causa dor

 

 

autor: JRG

13
Fev10

ELAS...AS PALAVRAS

samueldabo

 

Volúpia - foto tirada da net

 

 

 

falo com ela doce ternura

de temas íntimos quentes viscerais

falamos da alma da magia pura

que nos envolve nas palavras sensuais

 

falo com ela de nossas inquietações

do ser e do mundo que o rodeia

trocamos beijos sentimos sensações

alimentamos de sonhos a ideia

 

falo com ela do corpo e do desejo

que nos inebria de fantasia perturbante

sinto e ela me sente quando a beijo

no fogo da palavra  carinhosa penetrante

 

falo com ela de amor livre e preconceito

da liberdade de amar profundamente

tão feminina no falar esse seu jeito

que me agita o coração nela incandescente

 

falo com ela noite dentro madrugada

no silêncio do espectro tecnológico

ela de mim fogosa em ânsias excitada

eu mergulhado no abismo cósmico

 

falo com ela sem dar pelo tempo que passa

as palavras levam emoções subliminares

fazemos amor dentro das palavras cheias de graça

por entre cheiros de mar e sombras de Palmares

 

falo com ela e sonho do seus sonhos

desvendamos mistérios criamos fantasias

fazemos retratos de vida entre os escolhos

e gargalhamos sobre medos e magias

 

 

autor: JRG

 

 

07
Fev10

UMA VIDA DE AMOR ENTRE SONS DE GRITOS

samueldabo

Quando a tua voz na discussão se altera e grita

Som estridente que gera confusão e fere

Onde a alma amante que te sente e se agita

Saber que é efémera a revolta que o corpo gere

 

Ao discutirmos dilemas palavras malditas

Revolve-se a alma no corpo a quente

Palavras que ecoam entre palavras quase infinitas

Até que a calmaria nos sossega a mente

 

Terá a ver com o momento em que nasceste e eu nasci

O ano o mês os genes que nos dão a consistência

Ou é do saber sem preconceitos que contigo discuti

E do respeito que temos ao sermos na nossa existência

 

Quando discutimos os olhos tensos alvorotados

E nos dizemos os lábios em trejeitos fartos um do outro

Se saímos em busca de solidão amarrotados

Logo a doçura de nós invade o coração afoito e douto

 

Faz quarenta anos que te amo e nos gritamos

Gritos que fortalecem nossos desejos

Depois do grito fazemos sexo e nos beijamos

Entre silêncios gritados nos teus beijos

 

 Quando te calas imagino o som do grito sem gritar

A vida deificada fica suspensa de valor

Inventamos factos discordantes entre o sono e o despertar

Na labareda dos sonhos que alimentam nosso amor

 

Porque te amo sem conscientemente te adorar

Porque te sinto inteira e pura em mim

Sou teu vassalo quando me gritas sem te avassalar

És o meu alimento gritante até ao fim

 

Autor: JRG

 

 

 

 

 

 

14
Jan10

TRILOGIA DA DOR

samueldabo

vejam bem

que nem tudo são espinhos

onde existem rosas

há também

perfumes vizinhos

cores maviosas

 

vejam bem

que nem tudo é amor

onde existem paixões

há também

fogo que queima sem ardor

frio que arde nos corações

 

vejam bem

que nem tudo são luzes

quando o olhos rutilam

há também

brilhos fantasistas que iludem felizes

e deixam mágoas que ficam

 

autor: JRG

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D