Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

23
Set13

DOLORES

samueldabo

*
DOLORES
*
naquela bela e linda Primavera
de setenta e quatro
um mar de gente ondulando em euforia
festejava a quimera
de ao ver cair o poder atro
tocar o hino à alegria
*
corrias pela baixa Pombalina
Dolores tua ventura
atrás do tempo que inda demora
tão de tanto feminina
na vontade de ser mulher pura
ias pela estrada fora
*
não havia senão cravos por horizonte
e os teus cabelos louros
gritavam já por outra revolução
a que faria humana ponte
entre a pobreza e os grandes tesouros
porque  há amor no coração
*
eras mulher menina graciosa
rebelde à crueldade
e ao tempo adverso que te prendia
Dolores amiga dolorosa
cabelo ao vento rumo à liberdade
que o vento ainda não trazia
*
choro por ti amiga que partiste
sem ver a MÁTRIA decidida
tinhas razão o regime caíu mas o sitema vingou
olho a tua imagem que resiste
à flor da memória agora mais crescida
corro ao lado teu que me ficou
*
jrg
21
Jul13

A SILHUETA

samueldabo

 

imagem pública da net 

*

A SILHUETA

** 

Quanta verdade o teu olhar encerra

olhos castanhos doce mel

porta da alma que alimenta a terra

pétala colorida veludo pele

olhos românticos de apaixonados

a ingenuidade da virtude

quantos os enganos desenganados

magoam a tua juventude

olhos luminosos de sol nascente

inquiridores sob o ocaso

de tanto assim amor a alma sente

menina flor eterno a prazo

*

perscruto na tua infinitude o bem

o gene que o sorriso exibe

de dentro do olhar o avô ou mãe

beleza que o luar exprime

 

 *

olhos cor do fogo que apazigua

grandes submersos poesia

não ouso entrar onde a alma actua

e o sonho avulta a fantasia

*

lambo no teu sorriso a luz de magia

aspiro a brisa que expiras

e fico a adejar sobre o sabor que guia

o desejo de ti que me atiras

*

porque te escondes onde eu te vejo

colorida de chamas a arder

atira-me a alma eu quero o teu beijo

mulher que sonho para me valer

*

jrg

 

21
Abr13

ELEGÂNCIA

samueldabo

*
ELEGÂNCIA
**
o corpo dava a forma
fazia do vestido negro élan de sedução
na meia negra a opacidade
o encanto do pé no meio salto fora de norma
eis a mulher d'alma e coração
segura de ser a deusa em sua humilde vaidade
*
a gola modelar punhos de renda
uns olhos verdes instantes tão de tanto sedutora
na luz que envolve de magia seu olhar
os lábios fecham segredos que não se desvenda
perna traçada fixando a estrela da aurora
que já desponta sobre a montanha rompendo o mar
*
no ar intenso solto o perfume
no silêncio expectante e misterioso
onde a luz brilha em seu fulgor
no sorriso do olhar em cujo lume
arde docemente o ser ditoso
que me escolhera para ser o seu amor
*
tocam-se os lábios de alforria
os seios maduros arfam de sensuais palpitantes
os corpos tentam novos desafios
caem roupas supérfluas na sofreguidão da fantasia
beijos profundos de grandeza amantes
na delícia das mãos que desatam emaranhados fios
*
reacendido o fogo arde sem controle
há tanto tempo o amor paixão parecia rendido
entrelaçam-se as almas dentro da memória
os lábios sugam-se sôfregos de beijos que a alma engole
tocam-se desejos no respirar gemido
suores da pele que revelam cheiros com história
*
deleitam-se lascivas as bocas
os olhos reviram para o lado de dentro da alma
em beijos indeléveis que se viciam
entumescidos os sexos aguardam à porta das tocas
fervem sentidos nada os acalma
nem as palavras roucas que o amor ciciam
*
numa tempestade de tonturas
uma mulher um homem pelas bocas unidos
cambaleiam num absoluto orgásmico
elevam-se adejando sobre as suas loucuras
extasiados ante si rejuvenescidos
pela magia dos átomos ou um toque cósmico
autor: jrg
08
Nov12

SOU DO SIGNO MASCULINO...COM ASCENDENTE EM MULHER!!!

samueldabo
imagem pública tirada da net

*
SOU DO SIGNO MASCULINO..
COM ASCENDENTE EM MULHER!
**
pintei-me
da palavra liberdade
esculpi-me
na palavra humanidade
gravei-me
em palavra dignidade
depois morri
*
porque liberdade
sem ser livre
não fazia mais sentido
viver apenas
para sobreviver à matança
de inocentes virtudes
que a vida simples trazia
*
porque a humanidade
sem humanismo
sufocava carente de amor
solidificava a solidão
me condenava à tortura
de morrer só
no azedume da alma indignada
*
porque a dignidade
sem o usufruto ou dignitude
me fazia escravo
sem alento raiado de ódio e desamor
oco de pensamento
mesquinho absurdo e indiferente
a meu próprio ser
*
porque morri
deixo-vos escrito o que já não sou
apagado do rol
dos próximos a pilhar
o meu riso ecoa do mundo dos mortos
não me levam mais nada
ah ah ah fiquem com a minha herança
*
nem o ar empestado
nem a água inquinada de sofreguidão
terra queimada
ardendo dos meus ossos em combustão
o que vos deixo é o enfado
de se odiarem até à exaustão
famintos de amor
*
algures no ano um
duma nova era esplendorosa
um punhado de gente sã
que por ser criança mantinha intacta a inocência
reinventou a partilha
de cada acto de viver a nova esperança
livres dignos humanos
*
então voltei
feito signo masculino
com ascendente em mulher
na acalmia do vento sorri
porque vi a alma nova
nem luxúria
nem inveja ódio nem cobiça
*
autor: jrg
01
Jun12

A ALMA FUGITIVA...

samueldabo
serigrafia de Fernando Torres
*
A ALMA FUGITIVA
*
uma dor aguda 
permanente
"peritonite é para operar"
ouvi dizer o médico
tudo tão rápido demasiado rápido
com tanto que eu tinha p'ra dizer
estou grávida cuidem do meu outro menino
e não me excluam este de viver
senti uma picada e vozes risos e olhares
depois nada... nada...nada...
*
de súbito vejo-me 
o meu corpo deitado sob a coberta
um homem expectante
olhando-me com ansiedade
atada de pés e braços
os olhos fechados a pele acobreada
o recorte dos lábios inertes
reconheço o meu corpo eu onde
num angulo do tecto
aflijo-me aquele é o meu corpo
*
morri ou vou ainda morrer
porque me vejo de cima?
há quanto tempo me deixei que mãe
deixa assim os seus filhos
há um hiato na perspectiva da vida
que preciso preencher
estranha calma satirizo-me
alapada no tecto 
adejando sobre o meu corpo
quero-me quero-os
*
desço velozmente
e reencontro-me com o meu filho
alma minha porque fugias
solto um suspiro longo abro os olhos
e ouço a voz de alguém
"por onde andaste mulher? que tardavas"
onde estou porque me ataram
"como sabes que te atamos?"
vi tudo vi tudo vi tudo o que me fizeram
"descansa correu bem..."
*
cheira a éter e fármacos
a boca seca o coração amansado
correu bem disse ele
apalpo-me tusso levemente
o ferro frio da cama
as pernas o pequeno volume  do meu ventre
onde evolui o meu filho apalpo-me 
estranho porque me fugia sorrateira a alma?
apalpo-o com sorrisos
e penso que foi por um triz que não morri
autor: jrg
19
Mai12

O MEU SONHO É QUERER!

samueldabo
tela de Nuti...pinceladas
***
O MEU SONHO É QUERER...
*
quero viver
de uma humanidade sempre festiva
em que todos os que podem
façam mais um pouco sem muito sofrer
de alma inteira que a paixão aviva
para dar sem esperar que lhes retornem
dignidade aos que na vida querem ser
*
quero viver 
entusiasmado com a fértil descoberta
da cor que emana da humidade
do amor que brilha nos seres vivos e dizer
haja o que houver a minha mão aperta
para que ninguém mais aprisione a liberdade
e faça a alma entristecer
*
quero viver
sem preconceitos medos angustiantes
nem guerras ou ardis fatais
amar e ser amado até por fim morrer
por humanos animais e plantas fascinantes
sem inveja nem luxúria tão banais
ao vento à chuva faça o tempo que fizer
*
quero viver 
sem rendas nem ganhos sórdidos de usura
sem cidades do ambiente fracturantes
sem formas aberrantes de poder
brincar com a fauna e a flora da natura
onde todos sejam de si mais amantes
e não seja mais possível o sonho anoitecer
*
quero viver
sem ódio sem cobiça sem o vício d'ambição
sem nada a que chame mesmo meu
trocar tudo o que sou por um tanto de prazer
e dar ainda em troco uma porção
do que aprendi ao viver o que me aconteceu
cheio de esperança em cada alvorecer
autor: jrg
03
Mar12

PORQUE TE ME ENGANAS ?...

samueldabo
foto pública net
*
PORQUE TE ME ENGANAS ?
*
digo que é falso
quando dizes que me amas
leio nos teus olhos a cobiça
tão só precisas do prazer que eu te faço
no mais me tramas
no sorriso sedutor que me atiça
no fogo sem chama do teu abraço
*
digo que é falácia
quando dizes que me queres
bebo nos teus olhos
procuro na tua alma a mais valia
tudo o que precisas são mulheres
podem ser aos molhos
no mais é romance ciúme poesia
*
digo que não voltarei
a responder à chama que me enlouquece
por um olhar repentino
sem me prender de tudo me bastarei
pessoa inteira que acontece
amando o belo no aroma vespertino
dum por do sol talvez te amarei
*
autor: jrg
04
Fev12

NA PRAIA...

samueldabo
 
 

Entre as ondas...manel ribeiro.jpg

Mar da Costa de Caparica

 foto de Manuel Ribeiro

 
{#emotions_dlg.orangeflower}
NA PRAIA...
***
na praia curei medos
cresci de amor chorei
no vai e vem das ondas
troquei segredos
do coração em choque sangrei
limei arestas tontas
desfiz e refiz enredos
maresias desfeitas parei
 chuvas ventos fogueiras redondas
 segregados degredos
 na praia me exorcizei
 das ideias imundas
 que polvilhavam gemidos

jrg
21
Jan12

O PLANETA DAS ALMAS ADEJANTES...

samueldabo
foto pública tirada da net
*
PLANETA DAS ALMAS ADEJANTES
***
fui certa vez de visita
ao planeta das almas adejantes
a ver se por lá havia
um mundo novo a florescer catita
ventos brandos cativantes
e vi maravilhado quanto existia
d'amor inocente que as habita
*
a natureza de mil cores
um aroma de frescura vicejante
sons de maviosa harmonia
mares rios lagos cristais de amores
sol e lua sua amante
sem tristeza que toldasse a alegria
nem a angústia dos terrores
*
nem ouro nem ladrões
apenas almas transparentes seminuas
e bichos tantos antes selvagens
numa mansidão absurda de emoções
a trespassar verdades cruas
trazidas doutras vidas das origens
onde batiam feridos corações
*
as almas vagueavam 
em alegres jogos de livres fantasias
de nós entregues à mesquinhez
na intriga que outros maquiavam
colhendo escassas demasias
fome guerra devastação e deus à vez
a ver quantos se safavam
*
quis ficar na paz serena
deixar a terra arder no ódio insensato
absorver a luz do pensamento
a emitir sinais a quem de lá me acena
mas tenho com a morte um trato
era cedo para achar meu passamento
disse-me uma alma amena
*
teve a duração dum nocturno
a visita ao Planeta d'almas adejantes
rasguei o véu de tal segredo
agora sei que o tempo medeia meu retorno
que há almas que repugnam rastejantes
sendo o amor a arma eficaz para todo o medo
vou usa-lo no corpo e alma como adorno
autor:jrg  (pária...apátrida...cidadão da MÁTRIA em construção...)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D