Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

01
Jan16

BRINDO A UM ANO DE CONSCIÊNCIA HUMANA!

samueldabo

anonovo1-150x150.gif

 

 
BRINDO A UM ANO DE CONSCIÊNCIA HUMANA!
 
A todas as minhas amigas...a todos os meus amigos atiro palavras ao tempo, angustiado pela desumanidade das relações humanas, entre famílias, entre grupos, comunidades e estados...penso MÁTRIA...exorto a consciência feminina para que se faça luz...a luz diáfana do amor...do humanismo...para que 2016 nos faça pensar um novo sistema de organização da vida...que 2016 nos iniba de ter medo...o medo de perder privilégios...o medo de não ter...ter...ter...que 2016 nos permita a veleidade de sermos mais humanos...intransigentes para com a desumanidade...que 2016 nos permita sermos mais racionais...usando a inteligência para nos desenvolvermos enquanto espécie livre de todos os preconceitos que as normas e as religiões, ao longo de milénios, nos impuseram como sacras...
jrg
dedico-vos estas palavras que alinhei em jeito de poema:
 
estalam foguetes
gritos e vivas
apodrecem nas sarjetas
os restos de iguarias
escorrem regatos de champanhe
apertam-se os corpos
beijam-se as faces os lábios
aquecem promessas
rogam-se desejos de mudança
enfim os sorrisos
rasgam de esperança
os rostos sombrios
que vagueiam na noite à procura
dum tempo novo..
jrg
23
Set13

DOLORES

samueldabo

*
DOLORES
*
naquela bela e linda Primavera
de setenta e quatro
um mar de gente ondulando em euforia
festejava a quimera
de ao ver cair o poder atro
tocar o hino à alegria
*
corrias pela baixa Pombalina
Dolores tua ventura
atrás do tempo que inda demora
tão de tanto feminina
na vontade de ser mulher pura
ias pela estrada fora
*
não havia senão cravos por horizonte
e os teus cabelos louros
gritavam já por outra revolução
a que faria humana ponte
entre a pobreza e os grandes tesouros
porque  há amor no coração
*
eras mulher menina graciosa
rebelde à crueldade
e ao tempo adverso que te prendia
Dolores amiga dolorosa
cabelo ao vento rumo à liberdade
que o vento ainda não trazia
*
choro por ti amiga que partiste
sem ver a MÁTRIA decidida
tinhas razão o regime caíu mas o sitema vingou
olho a tua imagem que resiste
à flor da memória agora mais crescida
corro ao lado teu que me ficou
*
jrg
08
Nov12

SOU DO SIGNO MASCULINO...COM ASCENDENTE EM MULHER!!!

samueldabo
imagem pública tirada da net

*
SOU DO SIGNO MASCULINO..
COM ASCENDENTE EM MULHER!
**
pintei-me
da palavra liberdade
esculpi-me
na palavra humanidade
gravei-me
em palavra dignidade
depois morri
*
porque liberdade
sem ser livre
não fazia mais sentido
viver apenas
para sobreviver à matança
de inocentes virtudes
que a vida simples trazia
*
porque a humanidade
sem humanismo
sufocava carente de amor
solidificava a solidão
me condenava à tortura
de morrer só
no azedume da alma indignada
*
porque a dignidade
sem o usufruto ou dignitude
me fazia escravo
sem alento raiado de ódio e desamor
oco de pensamento
mesquinho absurdo e indiferente
a meu próprio ser
*
porque morri
deixo-vos escrito o que já não sou
apagado do rol
dos próximos a pilhar
o meu riso ecoa do mundo dos mortos
não me levam mais nada
ah ah ah fiquem com a minha herança
*
nem o ar empestado
nem a água inquinada de sofreguidão
terra queimada
ardendo dos meus ossos em combustão
o que vos deixo é o enfado
de se odiarem até à exaustão
famintos de amor
*
algures no ano um
duma nova era esplendorosa
um punhado de gente sã
que por ser criança mantinha intacta a inocência
reinventou a partilha
de cada acto de viver a nova esperança
livres dignos humanos
*
então voltei
feito signo masculino
com ascendente em mulher
na acalmia do vento sorri
porque vi a alma nova
nem luxúria
nem inveja ódio nem cobiça
*
autor: jrg
08
Out12

PARABÉNS ANA MARIA... UM POEMA E DUAS CANÇÕES DE ESPERANÇA!!!

samueldabo


Ana Maria Pinto-Soprano
***
PARABÉNS ANA MARIA... 
*
UM POEMA E DUAS CANÇÕES DE ESPERANÇA!!!
**
mas havia ainda bem
outra surpresa 
de sublime encanto
no dia em que a República
centenária fazia anos
depois da bandeira 
hasteada inversamente
e da "plebeia" que ousou
perturbar aquela ilustre gente
clamando justiça
uma voz de timbre altissonante
Ana Maria lírica cantora
eleva a resistência bem avante
no seu porte firme de mulher
*
a voz impelida p'la paixão
do belo canto
ilustra em som diáfano
do poeta Cochofel
o poema que insiste em ser a arma
que incita o pensamento
a resistir dentro da toca dos tiranos
à força bruta
que à luz do dia fica impotente
mau grado a raiva
a voz ecoa no silêncio do medo
olhos nos olhos
com a crueza circunstante
e cala a oratória pestilenta
*
é a alma MÁTRIA Lusitana
na voz melodiosa
que estilhaça em tom agudo as consciências
eleva a voz do povo
chama ao combate os indecisos
num grito de mulher
a "Firmeza" do poeta e os sorrisos
duma criança a brincar
com o futuro lançado aos abismos
parece dizer
canto por ti Luísa por ti Maria
olha para eles
borrados de medo presos nas teias que teceram
para nós...canto a liberdade

 

autor: jrg


Ana Maria Pinto - foto pública
***
FIRMEZA
Sem frases de desânimo,
Nem complicações de alma,
Que o teu corpo agora fale,
Presente e seguro do que vale.
Pedra em que a vida se alicerça,
Argamassa e nervo,
Pega-lhe como um senhor
E nunca como um servo.

Não seja o travor das lágrimas

Capaz de embargar-te a voz;
Que a boca a sorrir não mate
Nos lábios o brado de combate.

Olha que a vida nos acena

Para além da luta.
Canta os sonhos com que esperas,
Que o espelho da vida nos escuta.

letra de João José Cochofel


***
Ana Maria Pinto foto pública
***
Acordai
acordai
homens que dormis
a embalar a dor
dos silêncios vis
vinde no clamor
das almas viris
arrancar a flor
que dorme na raiz

Acordai

acordai
raios e tufões
que dormis no ar
e nas multidões
vinde incendiar
de astros e canções
as pedras do mar
o mundo e os corações

Acordai

acendei
de almas e de sóis
este mar sem cais
nem luz de faróis
e acordai depois
das lutas finais
os nossos heróis
que dormem nos covais
Acordai!

letra de José Gomes Ferreira
19
Mai12

O MEU SONHO É QUERER!

samueldabo
tela de Nuti...pinceladas
***
O MEU SONHO É QUERER...
*
quero viver
de uma humanidade sempre festiva
em que todos os que podem
façam mais um pouco sem muito sofrer
de alma inteira que a paixão aviva
para dar sem esperar que lhes retornem
dignidade aos que na vida querem ser
*
quero viver 
entusiasmado com a fértil descoberta
da cor que emana da humidade
do amor que brilha nos seres vivos e dizer
haja o que houver a minha mão aperta
para que ninguém mais aprisione a liberdade
e faça a alma entristecer
*
quero viver
sem preconceitos medos angustiantes
nem guerras ou ardis fatais
amar e ser amado até por fim morrer
por humanos animais e plantas fascinantes
sem inveja nem luxúria tão banais
ao vento à chuva faça o tempo que fizer
*
quero viver 
sem rendas nem ganhos sórdidos de usura
sem cidades do ambiente fracturantes
sem formas aberrantes de poder
brincar com a fauna e a flora da natura
onde todos sejam de si mais amantes
e não seja mais possível o sonho anoitecer
*
quero viver
sem ódio sem cobiça sem o vício d'ambição
sem nada a que chame mesmo meu
trocar tudo o que sou por um tanto de prazer
e dar ainda em troco uma porção
do que aprendi ao viver o que me aconteceu
cheio de esperança em cada alvorecer
autor: jrg
28
Abr12

TROVOADA JÁ NÃO É O PAPÃO...

samueldabo
imagem pública tirada da net
**
TROVOADA JÁ NÃO É..
O PAPÃO...
**
troveja
um som contínuo prolongado
em estéreo
cai uma chuva melancólica
suaves lamentos
nas telhas de zinco dos beirais
em miúdo diziam é deus
*
deus rabugento
deus zangado ou vingativo
deus omnipresente
deus carrasco dos mais tristes
deus pedante
deus que a todo o mal resiste
deus fogo vento chuva
*
a chuva quebra
aprofunda o silêncio que me silencia
embebo-me dela sequioso
e cismo sobre a IDEIA volátil
da terra suspensa
cheia de gente e natureza viva ou morta
de humanos convencidos
autor: jrg
01
Mar12

MENINA...

samueldabo
foto pública tirada da net
*
MENINA
*
estou a vê-la brincar
idade de fantasia
a construir sonhos de realidade
às vezes quase a gritar
fala gesticula movimenta magia
olhos lindos na cidade
que me faz lembrar o mar
*
às vezes surpreendida
pelo meu olhar tão embevecido
atira-me um vai embora
com um sorriso belo mas sentida
de me ver assim travestido
de menino que ela tanto adora
a meio do sonho retida
*
findo o regalo da infância
volta a pedir colinho
exercita em mim a nova esperança
de ver crescer nela em relevância
o humanismo novo onde eu gatinho
desde quando era criança
a cumprir no tempo a circunstância
*
autor: jrg
31
Dez11

ANO VELHO DE VILÕES...(VILANIA) - ANO NOVO DE LADRÕES...

samueldabo

 

 

 

foto pública tirada da net


*

ANO VELHO DE VILÕES...(VILANIA)
ANO NOVO DE LADRÕES...


«««//»»»


no meu país torpe mentira
ano a ano procurando me fiz crescendo
rispidez obediência tortura
alegrete de comédia ou drama ou sátira
à vez de dentro a cena me adormecendo
sedento de carinho e ternura
à espera do tempo novo que sentira
na evolução de mim o sendo
para o humanismo d'amor e alma pura

*

não procurei ou quis riqueza
ano a ano sem eu querer me fiz apátrida
ateu de vilãos ensandecidos
troquei o meu saber servindo a avareza
ingénuamente acreditando ser à partida
cruzar os tempos já vencidos
avesso à melancólica e mórbida tristeza
um de entre os mais nesta vida
a vencer a vileza dos poderes desvalidos

*

escolhi caminho por teimosia
ou desígnio cósmico nos genes embutido
naufraguei e a salvo me julguei
quando o tempo cedeu e cheira a maresia
mas era falsa esta esperança sem sentido
apátrida não pode confiar na lei
por mais que viva embrulhado em poesia
o tempo não perdoa ser vencido

*

ano velho de vilões inda a prazo
um povo inteiro por medo se abastardou
roubado na alma e no coração
sem vontade de vencer o milenar atraso
nem legitimar sua defesa a quem roubou
ano velho de vilões sem emoção
onde navego rebelde a ser por um acaso
o pária que da pátria se imolou
cercado pela vilania dos doutos da nação

*

ano novo de ladrões vetustos
e dos novos da mediocridade fanáticos
com aval da mediana fantasia
falidos da esperança criminosos astutos
adensam as teias com sábios lunáticos
cortam o pensamento que luzia
julgam-se deuses da verdade absolutos
sendo e só efémeros mediáticos
ante a grandeza apátrida de toda poesia

***

autor:jrg... [(pária...apátrida...)cidadão da MÁTRIA em construção...]

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D