Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

19
Nov08

A UM DESAFIO DA J. DO BLOG SOUMINHA

samueldabo
Desafio Literário!

 

 

O desafio é para que leiam. Se são muito jovens, leiam o que puderem, procurem estilos, conteúdos, formas de dizer, enredos. Excitem-se com os conhecimentos do passado, o romantismo...Não temam os autores profundos que nos revolvem as entranhas, que desmistificam conceitos inventados para nos castrarem face à realidade. E a realidade é nada. Não sabemos nada, mas o que formos sabendo de nós vai-nos perpetuando este sentimento de felicidade, de alegria de saber de ir sabendo...

 

Não vou atribuir lugares de ordem aos três livros que se pede no desafio, porque são todos primeiros.

 

Desde logo, ALEGRIA BREVE, de Vergilio Ferreira, uma obra que pode ser um romance ou uma dissertação sobre o homem numa dimensão extensa da sua singularidade face aos elementos.

A obra coloca-nos perante a possibilidade da solidão absoluta. Um homem, uma mulher e um cão, são os últimos habitantes de uma aldeia perdida entre fragas, para além das quais, fragas, cadeia de montanhas, florestas de coníferas, a vida continua.

E o homem reflecte sobre si no dia em que enterra a sua mulher, debaixo da velha figueira onde ela impusera que o fizesse, como último desejo.

O cão que ladra aos fantasmas que assomam nas portas escancaradas da aldeia. E ele, o homem, enfim só, infinitamente só, a visitar casa por casa, os nomes dos que lá habitaram, que influíram na vida dele, a evidenciar-se ele, como a essência da aldeia ou do homem que é, porque sabe que há vida, do lado de lá do vale em que se encontra...

 

E MEMÓRIA DAS MINHAS PUTAS TRISTES, de Gabriel Garcia Marquez, que eu interpreto como uma ode  ao amor na sua pureza mais sublime.

Um homem de 90 anos que nunca amou uma mulher ou um outro homem. Ter-se-á amado a si próprio? Que nunca se sentiu amado. Viveu sempre em indiferença face a este sentimento tão belo.  Satisfazia-se de sexo, enquanto necessidade biológica, em casas de prostituição.

No dia do seu aniversário, ano 90 da sua existência, ele decide oferecer-se uma virgem como prenda, uma prostituta iniciada e recorre a uma anfitriã do negócio, sua velha conhecida.

A menina é bonita, asseada, 16 anos? o quarto lúgubre e repleto de histórias de sexo, de dramas de impotência, de satisfações irracionais.

Ela despe-se e deita-se sobre a cama. E ele fica-se a olhá-la, as pernas bem torneadas, as ancas, os pelos sobre e em volta do sexo ainda virgem, o umbigo perfeito, as maminhas rijas, como botões de rosas, os lábios com um leve tom de rosa, os olhos amedrontados a ganharem confiança. Experimenta a sensação dos aromas, o cheiro do corpo, de dentro do sexo. Não lhe toca, e ela adormece. Ele coloca as moedas ao lado do corpo, como sempre fizera e remira-a em toda ela, de fora dela. A sua alma a interiorizar um sentimento profundo, desconhecido. Adormece e quando acorda, ela tinha desaparecido.

Havia uma rusga por toda a cidade sobre as ilegalidades do comércio do sexo. E ele em desespero bate as casas que conhecia, que frequentara, em busca da menina que amara, que começara a amar, que o ensinara, ou desabrochara dele, o amor...

 

E a fechar, A VIOLA ,de michel del castillo, onde o autor procura evidenciar a besta que existe na pessoa humana, em cada um de nós, que permanece em nós adormecida, por vezes e de como  ela se solta, nos transforma, em momentos de viragem da nossa subconsciência, ou provocada por factores externos,  ou de nós cansados de nos vermos reflecidos como um não ser,  ou provocados pela ignorância de agentes que nos são próximos, intimos...

 

 Gostava de saber os eleitos literários de:

  Estou_Estupefacta 

 Nayoko Nakamura 

04
Jun08

QUANTOS SOMOS NA VERDADE?

samueldabo

Quantos somos, em nós e nos reconhecemos como um só quando enfrentamos as acções que nos vêm de fora e lhes respondemos com lascas do que somos ou inventamos ser ?

Todos os dias acordamos com a sensação de não sermos um monte de ossos provido de carne, com lianas de nervos e veias, rios de sangue e milhões de bactérias, umas nocivas e outras boas, que se encontram num limiar de si  a digladiar-se  entre si e fora de si, que nos consomem e renovam energia, num esforço quase inútil de nos fazerem aceitar a evidência mesquinha que somos tão frágeis e desprotegidos.

E a isto respondemos que temos a alma, que é um amalgama de vontade e de saber e que quanto maior o saber, maior a alma. Ou quanto maior a alma maior o saber.

A alma é então o cérebro que tudo comanda, de cima de nós e por dentro da pele e cartilagem óssea que se fecha e esconde esse centro de comando, aparentemente igual em cada corpo, mas de diferentes decisões e interpretação de conceitos, porque só aparentemente é igual na sua configuração externa.

Na sua essência, a matéria difere de ser para ser, por contaminação de outras almas ingénitas que subsistem e se transvasam de geração em geração.

Não basta dizer que sim- É preciso sentir.

Quantos somos em nós, afinal?

 

23
Mai08

O ASTRÓLOGO

samueldabo

Na grande superfície comercial, num espaço nobre junto ao corredor central por onde toda a gente passa, já estava montada a banca, o cenário envolvente numa aura mística com a exposição dos livros e os cartazes que anunciavam a presença do Astrólogo.

Haveria a oferta da carta astral a quem comprasse um exemplar do livro ao que se seguiria uma breve interpretação das características de cada um.

Havia fila e impaciência pelo atraso. E eram, na sua maioria, mulheres, de meia idade e até jovens que admiravam o Astrólogo e as previsões que fazia sobre eventuais acontecimentos. à espera de respostas imediatas para agirem ou simplesmente aguardarem o ciclo propício.

A atmosfera de cheiros intrigantes numa simbiose de aromas díspares, entre perfumes e desinfectantes, o bacalhau os legumes, a livraria  de olores distantes.

Chegou. A mala a tiracolo. A expressão a indiciar cansaço, as desculpas em trejeitos de lábios e sorrisos, o trânsito, a dificuldade em arrumar o carro.

-O António, não veio, ainda?

Digo que não. E ele, desinteressado, a dizer que vem. Que ficou de vir e mais a Manuela e que sem eles não podia chegar a todos.

O computador, a impressora, as canetas e papeis para preencher o nome e as datas correctas de nascimento, local e hora.. O ligar das máquinas, o filho confortando-se na cadeira, iniciando o programa e a mãe, uma simpatia de senhora a dar indicações. A sentar-se majestosa e radiante de orgulho.

-Vamos lá começar. Quem está primeiro?

Avança a primeira da fila que leva dois livros. Um é para ela outra para oferecer à mãe que é uma grande admiradora do Astrólogo.

E ele, de olhos brilhantes, explicando que oferece a Carta Astral e uma pequena interpretação da mesma. Mais explicito, só marcando uma consulta, onde a personalização da análise permitirá outra ilações.

Entretanto chegaram os colaboradores. São como as fadas que sugerem paliativos a inquietações e dramas. E colocam-se à disposição. Os gestos abarcando todo o Universo. As palavras quentes e indutoras. A descoberta. Olhos húmidos pela emoção de se expor, a pessoa, mulher frágil enrolada em dúvidas, em suspeitas, anseios ou traições pressentidas

E o comercial, atento, distribuindo os papelinhos e respondendo a perguntas, incutindo expectativas, saindo já do aspecto comercial e deixando-se penetrar do espírito Astral e da humanidade evidente que se evade dos olhos, das palavras, de gente que se preocupa consigo própria. A encontrar similitudes abrangentes, a trocar impressões depois das impressões. A acreditar, a fazer acreditar.

Oiço o Astrólogo dizer a uma jovem que tem o signo tal em tal o que indicia um diferendo com sua mãe. E ela a aquiescer, que sim e a questionar como resolver tal dilema.

E ele que precisa de um estudo mais profundo, que ela marque uma consulta.

Ouço o António, num outro recanto da estante repleta de livros, surdos mudos ás vozes excitadas, excitantes que falam da tragédia de amores possessivos, inconstantes e nem sempre devidamente correspondidos.

E ele a falar em Marte, Úrano, Plutão e em tons macios, adulantes, penetrante no âmago do ser que se contorce na busca de si e de uma palavra que a seduza.

A troca de olhares cúmplices entre todos os que compõem a imagem de pequenas tragédias, ou simples curiosidade de saber se é verdade o que já sentem de si próprios.

Explicar até quase a exaustão que a Astrologia não é um ler a sina. É antes uma análise da pessoa considerando as influências Astrais sobre o exacto momento e o lugar do seu nascimento e que a cada ciclo ou momento é susceptível de sofrer alterações, por efeito de fenómenos ocorridos em constelações de Planetas que nos condicionam e ou intuem no nosso crescimento.

Observar os efeitos psicológicos que o desfolhar da suposta personalidade têm sobre a pessoa submetida à análise do Astrólogo.

Anuir que a Astrologia sendo uma prática ancestral da procura do homem pelo seu destino e por se tentar explicar a si mesmo a razão de ser de uma forma e não de outra, constitui um elemento fundamental na área do conhecimento pessoal e das ciências da mente e como tal não pode simplesmente ser ignorada, ou ostracizada.

 

09
Mai08

AMIGOS !...

samueldabo

Amigo

preciso dos cem euros que aí tens

senão

sou posto fora

não pagando a renda já vencida

e os juros pedidos

pela demora

Lamento amigo sabes

que sou teu

do coração

mas o cem euros que trago

aqui nesta carteira

são para pagar o fato e

a gravata

E os outros

alguns milhões

na conta aprazada

são para prevenir

que não me calhe

aquilo que agora

a ti te calha

05
Mai08

MÃE QUE NÃO TENS QUEM TE VENERE

samueldabo

Mãe

Mulher abandonada

por amores perdidos no deserto da vida

Mãe a quem a vida tirou o filho a filha

sem rasto em raptos sem destino

e que não terás a mensagem no dia que inventaram

Mãe que lutas ainda por um filho ou filha

arrastados na desgraça das drogas

que enriquecem abutres sedentos e insensíveis

e não terás direito a um beijo de saudação

Mãe que perdeste por morte súbita ou acidental

o único fruto saido do teu ventre

e não ouvirás a sua voz ladina cantar-te os parabéns

Mãe que não foste ensinada a sê-lo e por mor disso

te retiraram o filho os filhos

 e não saberás sequer que  inventaram um dia com o teu nome

Mãe preversa abandonada pelos filhos que geraste

Mãe de presos, ladrões assassinos, violadores

Mãe de loucos

Mãe de mudos, cegos.surdos , e outras anomalias congénitas

Mãe Mulher

Mãe coragem

Mãe que já te foste desta vida

Eu te saudo , hoje , amanhã, depois...

Mãe

 

02
Mai08

A SEDUÇÃO DO COMERCIAL - Memórias

samueldabo

Acordamos algures pela frescura da manhã silenciosa, incrédulos de não termos registado qualquer sonho que nos predispusesse para um dia que se adivinhava longo e imprevisível .

Cumprimos os rituais da higiene absoluta. Ensaiamos o sorriso, a carantonha, e outros tipos de sorriso que se apropriem a cada um dos actos programados.

Chegamos a pronunciar palavras.

-Bom dia como está? Um sorriso.

-Há quanto tempo não nos víamos! Um outro sorriso.

-Viva, borracho! Dormiste como uma deusa? E estás linda como sempre. Ainda um sorriso, mais aberto.

Apenas ensaios para não ser traído na hora da presença que pode anteceder espera ou ser de encontro imediato.

O papel de comercial intuitivo. Descontraído. Aprimorado no vestir e nos aromas e ciente das pressões para atingir determinados objectivos e dos entraves da concorrência e da alterações do mercado.

Ter uma estratégia e usar métodos astutos de penetração no inconsciente do outro. A lisonja inteligente, construtiva. Seduzir pelo aspecto e pela palavra. Ser querido.

Tornear as palavras, recheá-las de opíparos rendilhados apelativos, fazendo com que vibrem e se mexam e se imiscuam na mente do outro, da outra e o sirvam a ele como interprete das suas funções.

A cada um o seu cenário e ter de os contabilizar, registar sem mácula ou olvido, para nas visitas seguintes não trocar o mote, apenas variar pequenos pormenores que não tornem o diálogo monótono e sem sabor, desinteressante.

--Olá, como está fresca e rosada nos seus trinta anos . Não, vinte e nove.

Acha, mesmo ?  A cliente, com um ar a situar-se entre o incrédulo e a ingenuidade de acreditar que estava a ser devidamente apreciada.

-Não me venha com tretas que tem idade de ser minha avó.

A dizer as palavras com o sorriso apropriado, a olhar as rugas, o cabelo desajeitado, o tecido adiposo a sair do camiseiro. Ela, no seu melhor.

E ela, convencida e vencida a reconhecer que tem quarenta e dois ,e filhos homens.

Ele com um Ah! de grande admiração. O que faz para se conservar tão jovem. Em que região habita ou cresceu e se rejuvenesce assim?

Rendida, a cliente, pousa a mão no braço e falam do negócio que os traz aquela sala sombria, por onde o sol não entra.

Quando sai, o comercial tem um brilho nos olhos. Chegou a comover-se a serio com uma história pessoal que ela contou. E faz um último esforço para se recompor até ao próximo.

21
Abr08

AS NOVAS GERAÇÕES-UM EXEMPLO

samueldabo

No Correio da Manhã de Domingo, a noticia: Turma angaria dinheiro para ajudar professor.

É uma noticia que nos alerta para os valores que subsistem. E nos evidencia que nem tudo vai mal no reino da educação..

O professor disponibilizou a viatura para uma prova de aferição de conhecimentos no terreno.

Houve um acidente sem feridos, onde a viatura ficou muito danificada. Provavelmente o arranjo ficou de fora das coberturas de seguro contratadas.

Os alunos, jovens, disponibilizaram-se em angariar fundos para ajudar o professor e é emocionante a descrição dos meios, a criatividade, o empenho das famílias, da comunidade.

Um exemplo a ser divulgado por todos os meios. É possível congregar valores em torno da batalha pela educação. Afinal as novas gerações têm valores. Não são só cabeças ocas e insurrectas .

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D