Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

15
Jan11

FÊMEA VIRTUOSA!...

samueldabo

{#emotions_dlg.blueflower}

 

em cada vida há oculta uma tragédia

há quanto tempo as palavras timidas

onde me senti apaixonar pela comédia

que é viver o dia rico em noites frigidas

 achei-te triste entre as flores

um sorriso colorido no olhar inconformada

e logo ali reconheci os teus valores

mulher poeta mãe amor infeliz despedaçada

 não quero mais ver-te encurralada

nos teus olhos doces rutilantes de ternura

se despertei da noite tua alvorada

no renascer do mundo novo em ti tão pura

 atravessámos a floresta tropical

navegamos por mares suspensos entre continentes

unimos de amor Brasil a Portugal

somos amantes de amores virgens sobreviventes

 há um fulgor de fêmea adormecida

no teu olhar entre os lábios de sorriso penetrante

desde então partilhamos a alma e de seguida

reinventamos no ser este amor de amigo amigante

 dissecamos as feridas e o preconceito

lambuzamos de mel a perfídia que te condenava

arrancamos pela raiz o mal sem jeito

que no silêncio gritante do teu peito sombreava

 ah que bom é sentir-te mulher diferente

as palavras são a luz numa aura de esperança

feliz o amor que brota em ti adolescente

menina vestida de poema com alma de criança

 

autor: jrg

 

 

ana...{#emotions_dlg.bouquete}

12
Dez10

SIMULACRO

samueldabo

já não se vêm mais os navios
na linha abaulada e recta do horizonte
a surgirem pequeninos frios
ali mesmo tão perto quase defronte

às vezes as ondas os cobriam
do meu olhar infante mas persistente
e logo os meus olhos sorriam
quando os lobrigavam mais à frente

havia o fumo escuro espesso
tocado a vento da alva e negra chaminé
alimentava meu sonho no começo
de correr esse outro mundo ali ao pé

de onde vista sobre água tanta gente
confinado a meu lugar interrogava
a alma em ânsias mistérios de quem sente
que outro mundo o mar inda desbrava

perdido o fascínio pelo desconhecido
na era fantástica do conhecimento
olho o mar vazio dentro de mim crescido
que me desinquieta o pensamento

jrg

27
Nov10

SER DEMAIS...

samueldabo


cansei...tu o disseste
de viver te ti tigo
de amar onde cresceste
dentro de mim amigo

às vezes o cansaço vence
mas amar não é demais
nem quando a alma pertence
a sentimentos mortais

meu beijo teu respirar
te a ti ser sermos
por quanto amar demais
é cansaço vivermos

nos teus olhos eu me penso
dentro de em ti amante
amar-te demais vão imenso
entre o viver distante

quantas vezes adejando
sob a luz do luar
palavras corpos se amando
te me cansaste de amar

digo-te que amar é momento
sendo demais obsessão
viver cansado é tormento
de ser-te em contramão

quero-te ainda mais assim
instável incandescente
fogo que lavra dentro de mim
demais não sou inocente

autor:jrg

06
Nov10

UM BERLOQUE NO TRASEIRO

samueldabo

há muito que os meus olhos te seguiam

no teu andar trémulo desconfiado

no sorriso levitante e sempre triste

a pensar nos sonhos que te adiam

pesadelos no coração flor amordaçado

tanto de ti ainda em mim existe

{#emotions_dlg.orangeflower}

hoje trazias calça bota de montar

cão pela trela sorriso de circunstância

vista de trás uma fita traiçoeira

de entre pernas parecia um rabo a abanar

que por magia ou douta cartomância

alguém ali postasse ou tu linda matreira

{#emotions_dlg.blueflower}

paraste antes de abrir a porta para me ver

a pretexto talvez do cão e do menino

falamos de coisas triviais na voz doçura

senti que a tua alma parara de sofrer

havia um brilho novo e sedução no feminino

mulher de luz formosa tão bela e pura

{#emotions_dlg.redflower}

então pensei que eras uma princesa sitiada

nos teus olhos doces súplica sedutora

os lábios emitem sons sorrisos cintilantes

brisa quente vinda da alma esperançada

parei o tempo vi amorosa instante redutora

mulher grito de amor breves instantes

{#emotions_dlg.blueflower}

um mar sereno abissal de sensualidade

quis penetrar ousadamente a tua infinitude

romper o medo que segrega toda a razão

beijar teus segredos pelos becos da cidade

fértil nos desejos da minha juventude

mexes os lábios estremeces febril o coração

{#emotions_dlg.bouquete}

autor: JRG

24
Out10

O BEIJO

samueldabo

 

 

foto tirada da net

 

 

{#emotions_dlg.bouquete}

ninguém podia sequer nem imaginar

que num crescente sentimento

feito brilho dos teus olhos no rutilar

seduziam amor em movimento

***

beija-me disseste docemente

parei,a medo colei teu corpo ao meu

os lábios na procura de quem sente

estar a meio de amar o que é seu

***

encostados sob a roupa os sexos palpitantes

impulsos do corpo a ganhar posição

os seios os lábios as línguas fogosos amantes

embrulhados no amor d'alma e coração

***

os corpos em chamas no túnel tremiam

as bocas ávidas de sucos virginais

teu beijo meu beijo nas sombras gemiam

lancinantes apelos d'ânsias carnais

***

encostei-te à parede quis ter um refúgio

que a luz se apagasse

se fizesse silêncio porque o mundo ruiu

e toda a gente fugisse

***

era dia num túnel de gente diferente

que olhavam na esperança da nossa alegria

o beijo sabia a sexo em volta ardente

e tinha o cheiro tempestuoso da maresia

***

autor: JRG

12
Out10

ESTA GENTE QUE SOMOS...PORTUGAL!... - I

samueldabo

 

a alma da gente Portuguesa
nascida de entre sangue e flores
é um cruzamento da natureza
que realça o ódio e os amores

imagino um povo pária acossado
na história chamado Lusitânia
vindo sei lá donde esperançado
de escapar à barbara tirania

tribos pré celtas e mais iberos
que nestas terras se fixaram
depois galaico lusitanos perros
que os romanos arduamente conquistaram

após a queda do Romano Império
suevos vândalos visigodos
alamos búrios mouros vitupério
da original virtude a rodos

desta mistura o sangue se apurou
uma pitada de cartagineses
e fenícios de visita que chegou
eis quem somos nós os Portugueses

depois de mal contidos na nação
zarpamos pelos mares adentro
na ânsia da conquista pelo pão
se foi agravando nosso tormento

cruzámos espécies em nome de deus
cuidando que seriam apagados
por todo o mundo descobrimos céus
de amor e morte foram povoados

o que aprendemos foi a artimanha
de viver em caos e permanente
sábios de bazófia alguém nos ganha
só quando encurralam nossa gente

então fazemos logo de mendigos
são outros não nós que maldizemos
fossos que cavámos são antigos
não é nosso o buraco que ora fizemos

iletrados distraídos na jactância
deixamos sair grandes crânios
atraídos pelo fausto da ganância
exportamos suco importamos sucedâneos


autor: jrg
14
Set10

AS FORMIGAS...

samueldabo


imagem:commons.wikimedia.org

 

{#emotions_dlg.skull}

que dizer das formiguinhas
fazem desfazem carreiros
constroem palácios rainhas
labirintos formigueiros


escoam lautas inundações
evitam as pisadelas
aturam ventos nevões
nada é tormento para elas

trabalham o dia inteiro
talvez durmam se descansam
haja entre nós o primeiro
que como as formigas mereçam

que paz procuram se erróneos
feita de eterna guerra
entre os genes e os neurónios
os humanos desta terra


há quem não suporte e destrua

as formigas com destreza

exibem sem pudor a nudez crua

como tratam a natureza

 

 

ver as formigas sem medo
sem pressa de a tempo chegar
quem delas souber o segredo
não mais deixará de amar
autor: jrg

25
Jul10

RENASCIMENTO

samueldabo

amanhecer na alma do teu corpo
entrar suavemente no pensamento
sentir a dor a angústia
repelir tanto do teu medo
dançar a valsa do segredo
e ouvir dizer num sussurro
que amar é doloroso

quando se ama o que não deve
quando o que se ama é longe
e nos visita dentro do tempo
estragamos tanto
gratuitamente ou por capricho
a alimentar novo tormento
que sabemos inconclusivo

porque o amor é fogo
é tempestade é movimento
que se agita na bonança
e na dor que gera o medo
se agiganta na tristeza e na doença
porque é raiz e medra
mesmo quando parece morto

se uma brisa a aura ou um lamento
avivam a chama quase extinta
é como um cheiro acre de maresia
eufórico o coração desperta
os olhos tomam brilho os lábios mexem
e todo o corpo que na alma se agonia
levanta o verbo e ama em sintonia

que bom vê-la de novo a bela amante
soberana sobre a crista da onda imensa
cabelo ao vento vista cerrada
o coração em sangue borbulhando
deixar no rasto de espuma a nostalgia
erguendo a luz do sorrriso a esperança
por entre luas de estrelas cintilantes

 

autor:JRG

23
Jul10

PORQUE TE QUERO TANTO...

samueldabo

bebo da ansiedade...a tua
ouço alarido gritos
sinto tremores no meu corpo
onde te e me habito
não pretendo ser silêncio
estou aqui alerta fico
na esperança de ser norte

chama por mim e confia eu vou
são exames incertezas
não antecipes veredictos
serena o teu desvario e sorri
tanto amor à tua volta
gera energia avultada
só tens que estender a mão

desespero por encontrar
palavra que seja a mais certa
e no teu mundo fechado
abrir a janela perfeita
que deixe passar toda a luz
para no silêncio quebrar
o mal e a sua raiz

 

autor: JRG

17
Jul10

AMANHECER-TE...DE MIM

samueldabo

penso que não vens...
talvez as palavras
desnudas te pareçam crueis
não não são
ainda que pareçam
elas suscitam milagres
amenizam dores
rompem com a solidão
e espraiam pelo corpo
seduzidas de amor
pelo amor
onde nos habitamos
por isso penso que descansas
que é o tempo
de novas reflexões sobre o ser
amantes nós
tão belo sentimento
ser sendo

como os dias

que nos amanhecem

dentro do tempo

 

autor:JRG

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D