Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

22
Mar08

S.MIGUEL,AÇORES, O SONHO DE ESTAR VIVO-Parte II

samueldabo

A garrafa vazia/de Manuel Maria. A voz rouca, dolente, de Zeca Medeiros, no Cantinho dos Anjos, café rente à rua, na esquina de quem sai do Alcides, onde o Sr. José grava com mestria e paciência Franciscana, o nome de clientes afectos em taças de vinho ou licor, balões de Whisky e os oferece agradecendo a visita . A paixão de ser pessoa.

A decoração a lembrar outros povos, vitórias e derrotas, evidências de culturas, mimos de simpatia Açoriana , num ambiente acolhedor onde bonitas raparigas a sós ou em grupo falam de realidades e de sonhos e soltam gargalhadas diáfanas de alegria esfusiante, construindo certezas no perfume dos aromas.

 Que povo é este? Que cruzamento, ou raça pura?

A bela Estela, briosa, de aspecto grave, atento, responsável no atendimento de e sobre cultura  e que se diverte à noite em paródias inocentes de procura.

A divina Venilde , linda, o nome a sugerir veleidades de Olimpo, mas terrena, sonhadora e as partidas que a vida lhe pregou. Marco! Como te meteste, meteram nisso? Que tragédia ou ambição te levou ao tráfico, a destruir em lágrimas de sofrimento e dor, os sonhos encantados da mulher que te amava? Do povo que te gerou? As noites pela madrugada na explanação de projectos limpos de droga!...

O Gil do Couto, homem grande na sabedoria humilde sobre a superficialidade enfatuada. A paixão na crença dos milagres do Senhor Santo Cristo. A lisura de uma personalidade sã e conjugativa de amores comuns. O filho Francisco e a pesquisa dos fundos Oceânicos em busca, talvez de Atlântida e Znaida , artesã, o sentido prático da vida, taxativa.

A visita à estufa onde crescem, eu diria milagres gustativos, os saborosos ananases . Abastecer a garrafeira com o licor afrodisíaco do seu néctar.

O dia, onde o Sol e a humidade confraternizam, convida à procura de ambientes mais frescos.

O aroma especifico das infusões naturais. A única plantação em toda a vasta Europa. Os processos manuais de escolha, purificação e embalagem.

A Ribeira Grande. A escavação natural das água vindas da serra em direcção ao mar. O aproveitamento magnifico das margens, convertidas em lugares aprazíveis de lazer e convívio entre povos. As pessoas. Clara, a contagiante melodia das palavras.

E Rabo de Peixe. O lugar maldito, onde a vida se faz ao mar. Tido como perigoso, povoado por inadaptados da comum das gentes da ilha. Bêbados , arruaceiros, oportunistas que obrigam os filhos a não faltar à escola para não lhes cortarem os subsídios estatais, pescadores invejosos, ladrões, piratas. Tudo isto me foi dito. Mas, a avaliar pela obrigação de mandar os filhos à escola, tenho esperança na regeneração.

 

 

registed by: Samuel Dabó

 

19
Mar08

NA ILHA TERCEIRA A PRIMEIRA- Parte 1

samueldabo

O Baptismo de voo ia acontecer naquele dia, Domingo, que amanhecera limpo de nuvens à vista, de temperatura amena e sem chuva.

A impaciência e algum receio à mistura, pensamentos cruzados de tragédias, despachar a bagagem e mais um café, um cigarro, o relance de olhos pelas lojas, o som de línguas distantes, rostos serenos espreitando as noticias de jornal.

O avião, visto de fora, era imenso, de linhas graciosas, a frente fazendo lembrar um pássaro gigante de aspecto benigno., e doce No interior assemelhava-se a um autocarro de grandes dimensões. Confortável. Tinha pedido lugar à janela para poder visionar todos os pormenores da partida e da chegada. Emoção.

No avião, há janela, por cima das nuvens, desfazem-se mitos de tradição evangélica. Denso infinito embaciado por nuvens de estranhas formas que cortam as asas da aeronave e a fazem estremecer de emoções.

Olho os castelos, formas abstractas, surrealistas, gotículas de água, microscópicas, agregadas por cósmica energia e suspensas, vogando ao sabor de ventos, constituídas em reservas de água para alimentar a vida. Paisagem alucinante, com o Sol a reflectir-se nas asas humedecidas dum objecto que foi sonho. Voar.

O recorte da Ilha a desenhar-se, miraculosa, na aparente infinitude de água que a cerca. A espuma branca do mar que ressalta da investida contra as escarpas a pique. Barcos  tão pequenos que parecem de brincar.

As pistas, a nossa e a deles onde aviões de carga se refazem da jornada. Aviões com sabor a guerra.

O ar fresco da manhã. A emoção indescritível de pisar um solo distante que também é Portugal. As ilhas.

O homem do táxi. Como te chamas? Que importa. Retenho o orgulho de seres Português e Ilhéu . A hospitalidade. O brio da profissão.

-Se não tem pressa, pelo mesmo dinheiro até Angra, levo-o a uma curta visita.

Acedi sem constrangimentos. Perdoa, amigo, mas como continental desconfiado, não pude deixar de confrontar, mais tarde, o preço da tirada, com outros colegas teus. E tinhas razão. És um homem bom para quem o lucro não está acima da humanidade que queres ser.

A cidade da Praia da Vitória,num leve declive até ao mar. As linhas harmoniozas das rua e da arqitectura . A velha igreja. Nemésio. A Virgem Negra no seu pedestal no alto do morro sobre a marina,  onde subimos para ver a amplitude das referências que querias dar-me a conhecer.

A base, o bairro dos Americanos, o aeroporto, a cidade. a praia de areia escura, os prados divididos com precisão geométrica. Histórias da tua vida, a saúde, os mecânicos exclusivos da insularidade, em cartel.

 

 

registed by: Samuel Dabó

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D