Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

15
Out08

SONHOS NO OCASO DA VIDA

samueldabo

A imagem dela sedutora, os olhos intensos de um brilho estranho que raiava o limiar da felicidade. Olhos castanhos, profundos, o cabelo solto ao vento de uma noite livre de outras sombras. Noite clara, como se fora dia.

Podia ouvir um sussurro, voz, ou arfar ,ou respiração afogueada por tremores do corpo em êxtase, ou pelo silêncio que induzia magias assombrosas.

O rosto belo. Como era linda!...a blusa branca descaindo sobre o ombro, deixando um ou outro a descoberto, a pele morena, canela adocicada com o açúcar do sorriso.

Sobressaindo do decote sóbrio da blusa, as maminhas, harmoniosas, dois botões de rosas cor de carne enamorada.

Levantou-se de onde me olhava, troçando de mim ,abismado pela imagem que não fazia ali, mas longe, num longe impossível, porque de fora de mim,da minha alma ainda a suturar-se das quimeras antigas.

E veio voando, ondulando no éter em movimentos lentos, os braços abrindo espaço no vácuo da memória e quando perto de mim, aspiro o teu perfume exótico e as minhas mãos procuram tocar-te, afastas-te um pouco, por sobre mim que te olho de espanto.

Reparo, só agora, que não tens pernas, nem ancas, és um semi corpo sobressaindo de um êxtase invisível na noite clara. A parte mais apurada da tua totalidade.

O teu sorrio sempre me impressionou e hoje,mais do que qualquer outra vez. É como se quisesses dizer-me: vês, estou aqui, mais pura, confiante de mim, não me fizeste nem fazes qualquer falta. Simplesmente não exististes em mim...nunca...foi tudo um devaneio.

Voltaste a aproximar-te do meu rosto e as minhas mãos, os meus braços, todo o meu corpo num impulso. Estou pesado. Não levito. Exausto de angústia. O teu perfume, os teus olhos, o teu sorriso...A sobranceria  da tua alma que me olha de cima de ti, do teu corpo semi corpo, onde a blusa branca sobressai na transparência do tecido. E digo não!, rouco, envolto em bruma, mas, não!  É mentira! Fomo-nos num simultâneo da alma. Não sabes nada da alma!

De repente, a luz reforça o seu fulgor, cega-me por um momento e quando volto a ver a imagem de ti , já não é um corpo, como o conheço. mas um interior de corpo ainda sem alma, onde tudo se mexe numa azáfama Titânica. O coração bate normalmente, as vísceras, acondicionadas no espaço que lhes compete, num aglomerado de milhões de minúsculos pontos que se interligam, as veias como turbinas que conduzem o sangue depurado, vermelho vivo. Posso ver os alimentos que comeste serem triturados pelo teu estômago. Espera, um ponto negro que se agita de um lado para o outro,como uma bola que alguém do interior de ti atirasse ás paredes finas do teu estômago, fixo-me bem, surpreendido.  E vejo que engoliste um caroço de azeitona que a máquina se prepara para expelir para outro departamento visceral. Detenho-me no coração e nas batidas compassadas, como se não tivesse existido nada entre nós, como se fosse apenas fumo sem substância, e julgo ver algo que lhe retém o pulsar constante, o acalma e impede que parta desordenado. É uma substância indecifrável que se aglomera em volta dele como uma fortaleza. Tomaste um calmante... Não te consigo chegar. Estás longe. Longe!...

E subo ao cérebro a achar de ti um outro sintoma , um vislumbre que seja do teu pensar, estou mesmo quase a chegar. Impressiona-me o cérebro, o que lá dentro cogita, tece, enreda e se transforma em acção. A mioleira. O córtex dos sonhos...

Ouço um estalido como se um interruptor se movesse a toque de alguém e desvio os meus olhos por milésimos de segundo. O que é o tempo? O que és tu no tempo? E eu?...

Acordo suado e pleno de angústia, os olhos em volta e nada que me diga se foi verdade , a minha verdade ou a tua, mas verdade, inteira ainda que possessa do absurdo de ser verdade. Se foi apenas invenção minha, ou tua, ou de alguém pérfido que nos juntou, que nos acalentou o desejo de sermos um só, em alma e corpo, numa simbiose absoluta do ser. Nada...

Apenas uma sensação esquisita de frescura, como se o desvanecimento do sonho repusesse um novo andamento a esta sinfonia imensa que construo, do abismo de mim.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D