Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

10
Abr08

PAIXÃO EM ANGRA DO HEROÍSMO . Cont.7

samueldabo

Alberto ficou em estado de choque. Seguia  o policia e ouvia como que vindo de muito longe, a voz que procurava dar-lhe algum conforto. Tinha presente, uma fixação, a imagem de Carla debatendo-se, a angústia nos seus olhos lindos, o terror. E ele, impotente, sem meios de a proteger como prometera e a fizera acreditar.

Pronunciava baixinho o nome de Carla. Lado a lado, o policia esbaforido pela corrida e chegados à esquadra, os telefonemas a alertar as entidades em todos os pontos, a equipa que o queria interrogar. Se vira os raptores. O pormenor do carro, matricula, cor, marca. Algum indicio que pudesse ajudar. Nada.

Deixou a identificação, o hotel onde se hospedava, e saiu como louco. Voltou à baía. Em passos rápidos, tropeçando nas saliências, foi até ao bar e voltou, subindo a rua da Sé até ao alto das covas, desceu na direcção do mar. Ergueu as mãos ao céu . Procurar, encontrar, Carla meu amor. Porquê tu,

Não dormiu e o seu aspecto não ajudava a que lhe dessem a devida atenção. Foi à esquadra ver se havia noticias. Nada. Foi à policia marítima . Nada. Alugou um carro para percorrer a Ilha, junto ao mar. Toda a Ilha.

Alberto encontra Paula, colega e grande amiga de Carla que lhe fora apresentada dias antes.

-Alberto, que tragédia! Carla era a minha melhor amiga. Estudámos juntas e leccionamos na mesma escola. Temos até um mesmo método pessoal de ensino que aprofundamos em conjunto, em que o aluno é o fim único, como pessoa. Eu bem a avisei que o tipo era um mafioso. Não sei o que ela viu nele. Como se deixou envolver.

Alberto estava em outro lugar. As palavras de Paula.  Longe, em surdina. Envoltas de sons desconcertados , mas percebeu mafioso e questionou-se: A que propósito?

-Paula, desculpa, não ouvi tudo o que disseste. Por ventura era importante, mas estou exausto e preciso de algo que me alimente a esperança. Quem é o mafioso?

-O Santiago , o tipo com quem ela casou. Felizmente que por pouco tempo. Para mim foi ele que planeou tudo.

-Paula!...Então temos de dizer isso à policia.

Pegou na mão de Paula e arrastou-a para a esquadra. Informaram os agentes das suas suspeitas para que fizessem diligências. O tipo era de Ponta Delgada.

-O tempo urge, senhor agente. Disse Alberto com exaltação.

Agora foi Paula que pegou na mão dele e o levou a tomar um café. Tentando animá-lo. Chamá-lo à vida. Que quando Carla voltar não vai gostar de o ver assim.

O pensamento de Alberto está em Santiago , que nem sequer conhece . Toca o telemóvel . Alberto olha o visor com esperança. A chamada é privada.

-Está? Alô, quem fala? Está? Está lá?

O silêncio a regurgitar a angústia em espasmos doloridos nas frontes suadas. Os olhos alucinados.

-Quem era? Perguntou Paula.

-Não sei. Não falaram.

O telemóvel volta a tocar. Alberto deixou que tocasse por um momento. Clicou para atender.

-Está lá? Sim, por favor? Está a ouvir-me? Está? Desligaram.

Pensativo, Alberto, enquanto caminhavam sem rumo definido , entraram na nave da Sé. O silêncio de recato religioso. Olhou os Santos  e a imagem de Cristo.

-Meu Deus trazei-ma de volta.

Alberto, num repente, dirigiu-se para a saída  dizendo:

-Já sei! Mariana.

Paula, estupefacta, sem perceber o que se estava a passar, acompanhando-o a custo.

-Que se passa ,Alberto? Quem é Mariana.

-Mariana é a minha ex-mulher. Há precisamente um ano que não sei nada dela. Estes telefonemas só podem ser dela. Era um hábito ardiloso dela para me provocar.

Repetia palavras sem nexo, a procurar conjugar implicações. A conexão entre os mafiosos e a justiça. Um turbilhão de hipóteses. Voltou à policia. Aditou os indícios . E partiu para procurar Carla junto à costa, nas praias, por toda a Ilha.

 

 

Registed by Samuel Dabó

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D