Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

31
Dez11

ANO VELHO DE VILÕES...(VILANIA) - ANO NOVO DE LADRÕES...

samueldabo

 

 

 

foto pública tirada da net


*

ANO VELHO DE VILÕES...(VILANIA)
ANO NOVO DE LADRÕES...


«««//»»»


no meu país torpe mentira
ano a ano procurando me fiz crescendo
rispidez obediência tortura
alegrete de comédia ou drama ou sátira
à vez de dentro a cena me adormecendo
sedento de carinho e ternura
à espera do tempo novo que sentira
na evolução de mim o sendo
para o humanismo d'amor e alma pura

*

não procurei ou quis riqueza
ano a ano sem eu querer me fiz apátrida
ateu de vilãos ensandecidos
troquei o meu saber servindo a avareza
ingénuamente acreditando ser à partida
cruzar os tempos já vencidos
avesso à melancólica e mórbida tristeza
um de entre os mais nesta vida
a vencer a vileza dos poderes desvalidos

*

escolhi caminho por teimosia
ou desígnio cósmico nos genes embutido
naufraguei e a salvo me julguei
quando o tempo cedeu e cheira a maresia
mas era falsa esta esperança sem sentido
apátrida não pode confiar na lei
por mais que viva embrulhado em poesia
o tempo não perdoa ser vencido

*

ano velho de vilões inda a prazo
um povo inteiro por medo se abastardou
roubado na alma e no coração
sem vontade de vencer o milenar atraso
nem legitimar sua defesa a quem roubou
ano velho de vilões sem emoção
onde navego rebelde a ser por um acaso
o pária que da pátria se imolou
cercado pela vilania dos doutos da nação

*

ano novo de ladrões vetustos
e dos novos da mediocridade fanáticos
com aval da mediana fantasia
falidos da esperança criminosos astutos
adensam as teias com sábios lunáticos
cortam o pensamento que luzia
julgam-se deuses da verdade absolutos
sendo e só efémeros mediáticos
ante a grandeza apátrida de toda poesia

***

autor:jrg... [(pária...apátrida...)cidadão da MÁTRIA em construção...]

18
Dez11

ABSURDO MISTÉRIO...

samueldabo

foto pública tirada da net


*

ABSURDO MISTÉRIO...

*

estranho mistério
o da morte
que nos deixa impotentes
no vácuo 
da nossa indignação

*

mais estranho
quando alcança sem aviso
a nossa interioridade
nos arranca a parte mais dolorosa
de ser mulher e mãe

*

estranho porque atípico
sem sentido
quando nos toca a alma
e inunda de saudade
o pensamento a angústia infinita

*

porque estranho 
é o tempo que demora a viver
um ser inteiro
escravo do impudor
mítico da morte

*

mas uma criança
promissão de existir a crescer
um pedaço da alma
dos genes que de dentro recusam
o absurdo da morte

*

feridas abertas de mãe
insaráveis quietas
onde não mais a esperança
que acuda à revolta
implorando estranho perdão

*

estranha fragilidade
ante tanto domínio absoluto
raiva ódio violência
que o rio da morte arrasta
como um pesadelo

*

às vezes penso na morte
sob véu de seda 
bela à luz da transparência
e não aquele espectro
que leva à mãe a criança

*

outras imagino a resistência
que de dentro da alma
a vida cansada teima em refulgir
da tétrica mansidão
do sem sentido que nos incita a existir

*

amarrotados no medo
que nos eterniza no mito de deus
a quem confiamos o tudo
e o nada de que padecemos
a culpa o erro a vileza

*

estranhos mistérios
o da morte o do azar o da sorte
que nos trocam os passos
abstractas emanações que nos tocam
invasivas adúlteras secretas

*

jrg

11
Dez11

SUBLIME A ENFERMEIRA ! para a Benita Rubio e outras que eu sei...

samueldabo
foto pública tirada da net
*
SUBLIME A ENFERMEIRA !
*
para a Benita Rubio e outras que eu sei

{#emotions_dlg.bouquete}

***
realço na alva e nua transparência
humilde  a enfermeira
sua dinâmica no enfrentar a dor
chama pura paciência
na entrega sem medo prazenteira
num sentimento de amor
paz de mãe tão de tanta eficiência
*
na sala ampla grito das urgências
traz um sorriso de luz
uma palavra um gesto confiança
onde esconde reticências
sobre realidades que a alma traduz
não é nada tenha esperança
num abraço sincero à consciências
*
ali uma algália num falo amolecido
uma injecção milagrosa
desinfecta a ferida faz o penso curativo
recebe um abraço agradecido
enquanto coloca o soro na pele idosa
alguém a chama um sedativo
de onde o tempo escoa entardecido
*
rápido traz aqui um desfibrilhador
tropeça numa maca à deriva
um coração acelerado que deixa de bater
esqueceu de mim meu amor
já vou não desespere melhor que viva
entrou um corpo novo a sofrer
preparar para operar ó senhor doutor
*
parou a máquina que regula o coração
deixam-me aqui a morrer
calma volto num segundo sorri de angústia
enquanto injecta a ilusão
implacável resoluta a todo o mal vencer
contra o tempo com astúcia
às vezes chora de raiva contra tal pressão
*
não há cansaço que a vença nesta aventura
apenas quando sai a solidão
em que mergulha por momentos o dilema
de ser tão inteira de ternura
quanto é frio o sistema ante a sua dimensão
de entrega derradeira ao problema
e não olhar de lado quem a vê tão alva e pura
*
saúdo à flor da alma sublime a enfermeira
rosa vermelha margarida violeta
perfume de esperança que acode ao sofrimento
serena como deusa pioneira
agindo em sintonia com a alma de profeta
tão ágil a mover o pensamento
tão só quanto na vida a morte é derradeira
*
autor: jrg
11
Dez11

OS SONS DO MAR...DENTRO DO MEU BÚZIO !

samueldabo
*
OS SONS DO MAR...
DENTRO DO MEU BÚZIO!
*
foi num búzio belo assim
que o mar levei
a alma cheia de saudade
naquele jardim
tórrido de sol e o chamei
mar da vontade
tão longe dentro de mim
*
veio tão humildemente
de dentro o búzio
retorcido estranho ecoar
na minha mente
que o mar zoando seduziu
para eu o amar
de uma maneira diferente
*
tanto mar em ti guardado
manso infinito
búzio de orelha marinha
sonho acordado
no meu silêncio de aflito
lua cheia redondinha
em meu amor confortado
*
se quisera eu ouvir da sereia
o canto sussurrado
do mar quando recua na maré
o búzio me presenteia
de seu segredo bem guardado
alimenta a minha fé
deslassa meu sangue na veia
*
qual mistério assombração
doce canto maresia
do mar enquanto descansa
me aquieta o coração
ouvir no búzio bela a melodia
que anima a esperança
de o mar não ser de ilusão
*
solitário lugar de mar deserto
aonde o pensamento
resvala nas arestas da razão
meu amor aqui tão perto
e eu soldado ao cumprimento
em meu búzio a salvação
alma do poema em que m'acerto
*
trouxe comigo mar d'infância
para no medo vencer
enorme a minha desvantagem
no encurtar da distância
que o tempo me leva a correr
a alimentar a coragem
mar de búzio som fragrância
*
jrg
04
Dez11

QUERO DIZER-TE...HOJE...

samueldabo

 

{#emotions_dlg.sol}

*

QUERO DIZER-TE...

{#emotions_dlg.bouquete}

*
hoje

é mais um primeiro dia
de tantos que a vontade de vencer
soltou da densa e fina teia
construído na revolta da maresia
que faz o sonho acontecer
purificando o sangue sarando a veia
volvendo à vida a fantasia

hoje

viva a chama de mudança
cada momento na alma absorvido
o orgulho de ser da criação
o actor que cala a plateia e avança
descrentes d'amor enobrecido
que da alma se propaga ao coração
vem meu menino d'esperança

hoje 

porque te encontraste
vivo a emoção de te ter acreditado
que tempo é amor sabedoria
ao sentir-te vencer porque lutaste
brindo ao triunfo dourado
que canto para ti envolto em poesia
fruto d'amor que me soltaste

autor: jrg

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D