Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

SamuelDabó

exercícios de escrita de dentro da alma...conhecer a alma...

24
Fev08

MEMÓRIAS DA GUERRA (F)

samueldabo

Naquele dia o dilúvio abateu-se sobre a terra vermelha, numa mistura confusa de vento e chuva, qual deles o mais violento dos elementos, causando a destruição na floresta, árvores tombadas, torrentes de água e lama de mistura com os gritos espavoridos dos macacos.

As chapas de Zinco que cobrem os telhados das casernas, voam como frágeis folhas de papel e os homens, esses , saem para a rua eufóricos, os corpos nus. Esguicham , aqui e ali como os macacos e saúdam a chuva, cambaleantes, ao sabor do vento.

Manuel António escrevia a centésima carta, uma por dia. Meu grande amor....

Saltou à rua para, também ele, saudar as primeiras chuvas. Por pouco um pedaço do telhado desavindo com a intempérie , não o atingiu. Pensou melhor e voltou à escrita da carta interrompida.

Um companheiro, o Falcão, entrou de rompante na caserna, os olhos esbugalhados, a cara ardente e um laivo de espuma no canto dos lábios. Era um tipo obscuro, de poucas palavras, que se fixava em temas pouco viáveis à razão. Diziam que estava apanhado, louco.

O Falcão passava o tempo disponível bebericando na cantina. Dirigia a palavra a um qualquer sem esperar a resposta. Não havia resposta.

Manuel António estranhou a entrada súbita de tal personagem àquela hora. Medo da tempestade?

O Falcão queria falar. Trazia na mão uma granada de mão ofensiva.

- Sabes, Manuel António, tenho muita consideração por ti.

Cala-se, por momentos e olha a granada. Manuel António não sabe o que pensar, tolhido pela imagem da granada e os olhos do outro, longe, ausentes da conversa que ele próprio começara.

- Que fazes com uma granada nas mãos?

A tempestade amainava e já o Sol procura romper os farrapos de nuvens em louca correria.

Falcão, olha a granada, mais uma vez e diz.

- Gostava de ver o efeito da explosão, os estilhaços, rompendo o ar quente. Mas, claro, eu sei que não é possível . Está descansado que não vou tirar a cavilha.

Manuel António sentiu medo e incapacidade para lidar com a situação. Estavam ali os dois a olhar a granada, apertada na mão de Falcão, verde escuro, oval, a granada.

Assim como entrou, Falcão saiu sem dizer mais. Manuel António respirou de alivio e fechou a carta de muitas folhas que acabara de escrever para Alexandra. Deitou-se na cama para reflectir um pouco sobre o episódio e adormeceu.

Ao acordar, a noite caíra sobre a tabanca . Sonhou com a terra distante onde tudo parara à sua espera, e fluidos de amor subiam no ar fresco e leve das manhãs.

Havia grande alvoroço na caserna. Grupos falavam em surdina, meneando cabeças. Gestos incrédulos. Perguntas no ar. Sem resposta.

- Cá para mim foi algum turra infiltrado. Dizia um. E logo outro, incrédulo, longínquo .

- Mas, os cantineiros ? Não fizeram mal a ninguém. Não mataram. Não comeram mulher grande, nem bajuda . Não roubaram galinhas, cabrito.

Manuel António ficou a saber que alguém tinha atirado uma granada para o interior do balcão da cantina dos soldados. Que tinham morrido os dois  cantineiros Que não se sabia quem fora. Estava instalada a confusão. Vieram peritos da Cidade. O medo de novos atentados.

Manuel António pensou em Falcão. A granada oval, verde escuro, morte. O semblante alterado. Os olhos, longe. Mas, não, não era possível . Companheiros, uma quase família.

 

 

registed by: Samuel Dabó

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo

    1. 2019
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2018
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2016
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2015
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2014
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2013
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2012
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2011
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2010
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2009
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2008
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2007
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    1. 2006
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D