Sexta-feira, 28 de Março de 2008

A TOXICODEPENDÊNCIA NÂO È UMA FATALIDADE

A matemática, esse quebra cabeças dos Portugueses em geral, não é uma ciência mítica só ao alcance de alguns iluminados, mas porque é manipulada  ao sabor de interesses que ainda persistem e consideram que  "em terra de cegos quem tem olho é rei", continuamos a navegar em teorias de combate ao insucesso , condenadas a manter os níveis aceitáveis de cegueira colectiva.

Actualmente a proliferação do consumo de drogas por amplas camadas de juventude de todo o mundo, tornou-se num flagelo que nenhum governo tem conseguido estancar.

Desde sempre houve consumo de drogas, que não eram proibidas, nem atingiam os preços a que são vendidas nas ruas. Em consequência, quem sofria de stress por drogas comprava-as onde era possível ou optava pelo vinho. Era uma minoria, contestatária, talvez ,das regras de convivência que se iam alterando.

Eu penso que a partir da eclosão do Maio de 68, se espalha a ideia reivindicativa de que vale tudo. É proibido proibir tudo. Amor livre. Abaixo os poderes instituídos . A inalação de drogas pelo fumo avança em todas as direcções. As democracias tentam resistir, mas rapidamente os senhores da finança vêm ali um filão inesgotável, e são eles que financiam o estado e que o controlam. É para eles que as leis são manipuláveis, no esgrimir de interpretações por magistrados e advogados que as leis permitem.

Aqui, o consumo de drogas disparou com o advento da Democracia, não por culpa da Democracia, antes por uma coincidência de tempo, porque estamos sempre atrasados na ventura e na desgraça.

O consumo e o tráfico são proibidos e condenados com pena de prisão.

Milhares de famílias são assoladas por esta praga, Adolescente instigados ao consumo sobre os mais variados pretextos de afirmação pessoal, de desinibição. de ser mais forte. Jovens, meninas, lindas que foram, agora enrugadas, prostituídas, devassadas.

Os carteis de tráfico organizam-se. No interior   das prisões superlotadas continuam a traficar e a consumir. Nas ruas os chamados pequenos delitos. A saga da moedinha para o arrumador que surge, do nada quando já tínhamos quase arrumado o carro.

Roubam os pais, a família, os amigos. Vendem tudo o que tem comprador e há quem compre É um negócio de lucros fabulosos, onde se vende tudo até a dignidade.

O estado, nós todos, financiamos as medidas ditas profiláticas que o estado implementa de apoio financeiro às clínicas de reinserção. Aos tratamentos em ambulatório.com resultados deficitários de recuperação efectiva e duradora.

As policias investem na formação especializada no combate ao tráfico. Os criminosos detidos em resultado das investigações são postos em liberdade. Presos são os consumidores, por consumirem e por roubarem. A droga e dinheiro apreendido nas operações , desaparece

Os verdadeiros agiotas do tráfico continuam impunes. Participam, até, na discussão. Influenciam politicas. Corrompem influências. E seguem a matança intelectual e fisica do que melhor tem um povo, uma nação.

Surgiu o HIV, as hepatites B eC proliferam.

As famílias a lutar contra a insolvência absoluta. Sem ajudas de ninguém. Condenadas, até, por não terem sido capazes de evitar a desgraça.

Alguns países adoptam medidas para liberalizar. o consumo, que passa a ser disponível em farmácias e locais apropriados criados para o efeito. As noticias sobre a eficácia, .

  aumentou-reduziu.estagnou , não são distribuídas na mesma dimensão.

Por cá, e não só, os arautos tentam explicar-nos em equações algébricas e outras engenharias matemáticas, que a liberalização não é possível . Iria criar mais dependências, facilitar a transacção entre estados!?...

E nós a percebermos que dois e dois são quatro em qualquer circunstância e que somados sucessivamente, chegamos aos milhões da ganância , que matam e morrem pela ganância de viverem na abastança erguida sobre o sofrimento, a dor e a desdita de quem vê um adolescente primoroso ser arrastado impunemente nas águas sórdidas da mentira.

sinto-me: saloio
música: HINO NACIONAL
publicado por samueldabo às 14:39
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 27 de Março de 2008

ÀS MULHERES-AOS HOMENS-SOBRE O CANCRO DA MAMA

Há  doenças que nos afectam, que nos deprimem, causam dor e morte de gente que faz falta a quem sente a falta, destaco hoje, agora, o cancro da mama, porque nem sempre mata fisicamente, mas destrói imagens coloridas, arruína projectos, desfaz amores que pareciam consolidados. 

Os seios são, do corpo feminino, o órgão mais cobiçado e o mais maltratado, pelo parceiro masculino nos jogos ditos de amor.

Alguns  homens gostam de peitos fartos, duros, outros gostam de seios mais equilibrados, mas querem seios pertinentes, para saciarem ditos prazeres ou angústias,  a falta ou o exceso , no primeiro contacto com o peito materno Frustrações.

Na relação sexual, servem-se dos seios selvaticamente, apertam, sugam, ferem. E pretendem que estejam sempre duros, proeminentes, à disposição da sua gula libidinosa.

As mulheres fazem o que podem para os manter altivos. Sabem que é um ponto importante de dar e receber prazer. Têm filhos. Têm dores. Mas insistem em tudo fazer para agradar e ser agradadas. Em geral, as mulheres têm um orgulho desmedido nos seus seios. Até usam uma peça especifica para os manter suficientemente elevados, como faróis sedutores que ostentam e prometem os restantes atributos não visíveis .

E de repente, por má formação congénita, por tanto terem sido maltratados nos momentos de paixão, por força dos laços genéticos, de per si ou no todo, eis que o impensável  acontece. O bicho temível , corrosivo,  que só  sabíamos nos outros, que não foi detectado a tempo , ou que foi, mas era do tipo expansivo, intratável, toma conta, sem apelo, do seio da mulher.

A mulher que se vê obrigada a suprimir um dos seios ou os dois, sofre um rude golpe a todos os níveis sensoriais do seu ser e ainda constata , muitas vezes, que não passava de um objecto de prazer para o seu par. Quantas vezes abandonada quando mais precisava.

A perda deste símbolo da sua feminilidade e maternidade, causa distúrbios insanáveis que devem obter de nós o melhor da nossa humanidade. E muitas vezes são abruptamente excluídas e sofrem em silêncio, acarinhadas por uma palavra amiga ou a sós, no silêncio de todos os silêncios sem resposta.

O amor, a amizade, a ternura, devem prevalecer sobre a ablação. Sorrir , confiar na grandeza da sua condição de mulher geradora da vida.

Que sei eu disto? Deste drama?

Quíz apenas interromper silêncios. Dizer que estamos aqui e não te excluímos. E embora talvez tarde, agarra a nossa mão e sorri.

 

 

 

 

sinto-me: construtivo
música: bolero de Ravel
publicado por samueldabo às 17:37
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 25 de Março de 2008

O CHIADO, O NOIVO, AS VIOLETAS IMPERIAIS

No Chiado, tarde amena, fervilhando de juventude aguerrida em passo apressado. Pessoa fotografado pela décima milionésima vez, um pedinte desconexo à porta da Bertrand e tocadores de flauta de Bisel , saracoteando-se na frente de pessoas indiferentes solicitando o cachet.

Há porta da Brasileira não está Zé Gomes Ferreira, o cabelo prata luzidia, poetando , nem Fernando Namora questionando-se sobre a veracidade dos números da editora.

No lugar do pedinte, Aquilino, Ferreira de Castro , Nemésio, questionando a politica que lhes sonegava o mundo, são uma efeméride esquecida.

Cosmopolita, o Chiado perdeu a envolvência mítica da intelectualidade e o pitoresco Primaveril das vendedeiras de violetas, acossando os casais da média burguesia a caminho dos teatros, da ópera, de encontros libidicos, ou o absurdo do noivo desiludido, impecável de fraque e flor na lapela, andar marcial, decidido, O corpo alto, esguio , em crescendo, de voz audível a cem metros, a subir a rua do Carmo e vociferando palavras agressivas e epítetos obscenos contra a expectante turba que sempre parava para distrair os pecados errantes e a estulta acomodação ao marasmo instituído .

 

 

sinto-me:
música: Vérdi
publicado por samueldabo às 08:49
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 23 de Março de 2008

S.MIGUEL, AÇORES - O NORDESTE

Hoje o sol pregou-me uma partida de menino mimado  e irresponsável. Enredou-se em neblinas maviosas e pertinentes, deixando que miríades de lágrimas de outras tantas saudades ululantes, se abatessem nos corpos desafectados de protecção adequada.

As Queijadas da Vila, após o pequeno almoço madrugador. O café, Delta, claro, a despertar renovadas atenções. a Afinar sensibilidades parecendo exaustas, mas que renasciam, qual Fénix, temperadas pela visão dos fieis que se dirigiam à primeira missa da manhã, indiferentes à morrinha, de rostos abertos e confiantes.

Fiz a viagem de Ponta Delgada ao Nordeste na carreira, a primeira da manhã percorrendo a estrada pouco movimentada e readmirando paisagens e recortes, a fixar imagens e momentos, as vacas nos pastos, as carrinhas que transportam o leite, pequenas povoações e gente que entra, gente que sai, as crianças, os jovens a caminho da escola e eu a lembrar-me de mim.

Timham-me falado do Nordeste como uma miragem num deserto rodeado de oásicos sistemas floridos e verdejantes, numa abordagem surrealista da visão, de quem chega e se depara, com um quadro pintado em fervorosos momentos de arrebatação criadora.

A povoação de casas típicas , arejadas, a casa museu João de Melo, o jardim, o café onde me resguardo e abasteço de iguarias.  O miradouro sobre o mar, a rocha a pique, o verde a envolver as casa em cima, num clima de silêncios, voltar ao miradouro, e novamente o mar estanhado, verde chumbo, denso na voragem da maré, a igreja.

Um táxi, carro de aluguer, parado num lugar reservado. Procuro com os olhos o motorista e não vejo ninguém, até que ouço uma voz, vinda de onde?

-Bom dia, precisa que o leve.

Olhei a figura, magro, rosto bonançoso, olhos que reflectem amor, lealdade a procurar saber ao que vinha. Como te chamas, amigo?

Disse-lhe ao que vinha. Desvendar a meus olhos o infinitamente belo. A pretensa miragem. A descoberta de mais uma das maravilhas açorianas, mas que o tempo, chuviscoso , não estava a colaborar.

Os olhos dele iluminaram-se num clarão de empatia a mandar-me entrar.

- A viagem até à cidade de Povoação são vinte euros, o resto é por minha conta.

Homem grande e destemido, homem bom. Como te atreves a acreditar que acertaste em tomar-me como amigo?

Pelo caminho, também eu confiante, sem saber das rotas, adivinhando boas intenções, foi-me falando de si, dos tempos difíceis da emigração na América, o trabalho quase esforçado para amealhar o suficiente e voltar. Nã que ele não era dos que se bastavam com dinheiro. Ali é que era a sua paixão e comprara o táxi, algum dinheiro de parte, uma vida sonhada nas refegas erradias, naquele deserto apaixonante, apaixonado.

-Olhe, ali, aquelas vivendas no alto da montanha, são de pessoas importantes do Continente, casas de férias.

E eu a imaginar, para mim próprio, os senhores importantes do Continente a julgarem-te parolo, imbecil, por teres trocado a vida faustosa das Américas por um lugar pasmado de beleza. E a contextualizar-te comigo.

Parou o táxi junto a um jardim que abarcava uma vasta  área em planalto, delineado de formas graciosas, ramadas em túnel, palmeiras anãs , flores, o vermelho, o azul, o rosa,  o lilás , o  amarelo e os verdes, numa deambulação de cores e odores. Numa simbiose de deuses tocando trombetas melodiosas e eis a placa de homenagem ao homem e à beleza reunida num feixe, com o mar por fundo, escarpa a pique, o poema:

                                          Toda a beleza é beleza

                                           Para quem na beleza crê

                                           A beleza é só certeza

                                           Conforme a vista que a vê

 

                                           Silêncio de calma

                                           Mudez carinhosa

                                           Afagas muralha

                                           Na noite nervosa

 

                                           Silêncio que alentas

                                           Meu sonho desfeito

                                           Ai como atormentas

                                           O mal do meu peito

                                           

                                           E quando te calas

                                           Calado me dizes

                                           Que as horas sem falas

                                           São horas felizes

                               

De João Teixeira de Medeiros

 

Embevecido por tanta beleza, recolho-me junto ao murete que limita a queda abrupta  e desvenda plena de epopeica visão o mar imenso, ondulante e a esfregar-se, preguiçoso,na base das rochas  que já foram suas amantes e agora, só enamoradas.

O homem do táxi e eu, em silêncio, ambos sabendo que amávamos a mesma substância mítica e sem ciúmes nem desavenças fruíamos desse amor, partilhando emoções vindas do sonho de sermos homens.

 

 registed by: Samuel Dabó

sinto-me: num outro planeta
música: O SOL PERGUNTOU À LUA
publicado por samueldabo às 21:16
link do post | comentar | favorito
|

S.MIGUEL,AÇORES, TERRA NOSTRA

A entrada no parque Jardim Terra Nostra mergulha-me em silêncios profundos à medida que vou avançando e descobrindo imagens absurdas de tamanha beleza botânica, de recantos criados por artistas de outros mundos mais perfeitos.

O Sol no zénite a refulgir raios cintilantes através das folhas de  árvores centenárias, altivas e lindas de grande e pequeno porte. Pássaros que cruzam a densidade do ar em brincadeiras atrevidas, poisando nas ramadas, ou abeirando-se dos lagos e sobre extensas camadas de nenúfares , saltitarem de uma em outra e chapinhando a água morna e quieta.

As flores de cores absolutas, exóticas, múltiplas de género e efeitos sibilinos, transformando os nossos olhos em mirabolantes rodas giratórias.

Subimos carreiros, contornamos lagos e riachos, e voltamos a percorrer, como se de um labirinto que não quiséssemos encontrar o fio.

Os meus olhos emotivos, a voz abafada, tímida , afónica, contrastando com a grandeza que sinto de fazer parte, por um momento, de tão Edílica paisagem.

No cimo de uma elevação, por entre a folhagem de palmeiras e outras maravilhas arborícolas cujos nomes não registei, o edifício adaptado a hotel de grande magnitude arquitectónica a lembrar um conto de fadas, infância, lucidez adormecida. Só pode ser um sonho..

A piscina de águas lamacentas, sulfurosas, onde adultos e crianças se banqueteiam em movimentos ablativos da inércia citadina.

É um ambiente indescritível . Não é possível traduzir em palavras a cor e o enquadramento que os artistas se permitiram para criar uma atmosfera única de emoções sublimes e apaziguadoras.

Venham ver!.

Saímos pela mesma porta e lembrei-me, de repente , que tinha estranhado a entrada paga!... e sorri de felicidade.

 

 

reisted by: Samuel Dabó

sinto-me: em um outro planeta
música: O BRAVO- Cantado por Adriano
publicado por samueldabo às 18:28
link do post | comentar | favorito
|

CARTA ABERTA À ADOLESCENTE DA ESCOLA CAROLINA MICHAELIS

Sabemos quão problemática, tem sido noticiada e empolada, a situação que se vive nas escolas, os confrontos de personalidade entre professores e alunos a que os pais acorrem em defesa da prole.

Vimos o vídeo , felizmente que há o vídeo , e seguimos entusiasmados a luta entre a professora e a aluna pelo telemóvel, a reacção delirante dos restantes alunos. Alguns de nós lembrou semelhanças da adolescência, rebolando-se no chão do recreio pela posse dum pião, duma carta secreta de namorados. Até que, acabou, a aluna conseguiu recuperar o objecto da sua intimidade. E para nossa maior decepção, não houve sangue. Não foram usadas armas de fogo ou de lâmina afiada.

Houve um aluno que filmou as cenas e, na sua ingenuidade, à borla, ofereceu mais valias a tudo o que é imprensa ou veículo de noticia, aos professores que reclamam direitos, aos políticos da oposição que querem outras medidas, não querem a ministra, não querem governo. Bom , só mesmo a barbárie . Infiltrar câmaras nas escolas e inventar agressões.

Pede-se a cabeça da aluna. A professora remete-se ao silêncio. Condena-se o governo, mais uma vez e pede-se a presença da Ministra no hemiciclo onde tudo se cozinha

Pobre adolescente, já confessaste arrependimento. Estás disposta a pedir desculpa, a trilhar novos caminhos sem ofensas, mas não tens hipótese. Vais ser condenada sem apelo nem agravo. A chamada opinião pública já te leu o veredicto e quando assim é, os julgadores  são implacáveis.

À Senhora professora ninguém indagará das razões que a levaram, que stress ou mal formação pedagógica, que orgulho ou prepotência pessoal, a denegrir a sua imagem educadora, a deixar-se envolver numa disputa física pelo objecto  da discórdia, a expor-se ao ridículo perante a turma, à completa perda de autoridade.

A meu ver, tanto bastava que, sendo proibido o uso do telemóvel, a senhora professora convidasse a aluna problemática a sair da aula, para ser acompanhada por um técnico especializado, um psicólogo, não para ser irradiada dos seus projectos.

Aqui te deixo, adolescente , a minha solidariedade , sem que aprove a tua conduta. Não se questiona em público os superiores hierárquicos , vais aprender pela vida fora.

Sei que ninguém vais estar contigo nesta hora difícil , mas eu, que não tenho medo da opinião, nem estou comprometido com os lobbies da educação, ofereço-te a minha mão.

Para que caminhes confiante e resoluta sobre os espinhos da vida onde te colocaram sem aviso prévio.

Eu que não sou nada. Que, muito provavelmente , não conseguirei levar-te esta mensagem, mas tentei.

de amigo

 

sinto-me: solidário
música: Pombas ZECA AFONSO
publicado por samueldabo às 07:42
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 22 de Março de 2008

S.MIGUEL,AÇORES, AS FURNAS

"Com um brilhozinho nos olhos" (Sérgio Godinho), a subir a montanha por estradas sinuosas de bom piso e vegetação rica e variada, a ver o mar de um e outro lado da Ilha, a saborear aromas e sabores que nos entram em catadupa a cada inalação.

As furnas, expelindo vapores diáfanos e sugerindo imagens grotescas de vultos que se movem do outro lado de nós, em frente. O cheiro a enxofre . A água azeda que escorre da bica que bebemos para curar enredos e invejas trazidas de longe. O borbulhar da água fervente  brotando do chão e elevando-se em espessa névoa de que nos deixamos envolver em brincadeiras gaiatas. A caldeira num ruído cavo de agonia, um estertor de vida a estremecer o chão que pisamos. Água e lama fervem e extravasam do interior da terra e é como um prato de farinha no clímax da cozedura. A sensação estranha de pensar que pisamos uma camada fina de solo, pronta a estalar a todo o momento, por um qualquer fenómeno que não conhecemos nem dominamos.

 Com os sentidos em êxtase continuo, desço à lagoa de águas mansas em cujas margens escavaram, aqui e ali, buracos onde a terra treme e expele vapores em surdina, que as pessoas utilizam para a confecção do famoso cosido da furnas.

O cozido das Furnas é um banquete de deuses, confeccionado ao vapor, deixando entranhar um leve odor a enxofre que o torna um manjar a repetir. O sabor único das carnes, o gosto dos legumes e dos enchidos, a envolvência da paisagem.

Um passeio digestivo pelo parque Terra Nostra , era o convite, em jeito desportivo, para obstar a uma qualquer indigestão, não sem antes beber um pouco mais de água azeda que, dizem, ajuda a digerir tão farto repasto.

Pelo caminho, Zé Carlos foi-me dizendo que as Ilhas que compõem o Arquipélago são como bairros de Lisboa, ciosas das suas belezas particulares e exigentes na implementação de estruturas, rivalizando umas com as outras e todas com S.Miguel .

- Nós, em Ponta delgada dizemos que os Terceirenses são como os Alentejanos. São indolentes. Só querem festas e mordomias.

Os Terceirenses dizem que em S.Miguel os homens têm a ponta delgada.

E eu a lamentar não ter visitado o Algar do Carvão, nem ter visto as célebres corridas de touro à corda na Terceira e  a não ter oportunidade de sentir o fervor e a religiosidade destas gentes nas festas do Senhor Santo Cristo do Milagres, ou as Festas do Espírito Santo nos Açores: factos que me ajudariam, por certo, a entender este espírito acolhedor e de grande humanidade.

Chegámos à porta do Parque Terra Nostra , cuja visita é paga. Estranhei. Pagar para visitar um parque?

 

 

registed by: Samuel Dabó

 

sinto-me: num outro planeta
música: Samacaio- Carlos Alberto Moniz
publicado por samueldabo às 23:15
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.posts recentes

. MEMÓRIAS DO TEMPO DAS FES...

. BRINDO A UM ANO DE CONSCI...

. EU JÁ VOTEI!...

. BEIJO MEU PIONEIRO

. CENAS EM CONSTRUÇÃO

. LANÇAMENTO DO LIVRO: O DE...

. LANÇAMENTO DO LIVRO: O DE...

. 27 DE DEZEMBRO DE 1945

. O DESASSOSSEGO DA MEMÓRIA...

. DOLORES

.arquivos

. Dezembro 2016

. Janeiro 2016

. Outubro 2015

. Dezembro 2014

. Outubro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Setembro 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2006

. Abril 2006

.tags

. todas as tags

.favorito

. VIESTE MULHER E ME LEVAST...

. Significados

. O Velho e a Miúda - Pesca...

. E ficamos por aqui...

. XVI - O recital

. Tempestade ou Destino

. Destaque da semana...

. História Romanceada...

. Hoje apetece-me falar de ...

. JUSTIÇA - Os direitos da ...

.links

.as minhas fotos

.Vejam Bem

Redondo Vocábulo - José Afonso Utopia - José Mário Branco, Amélia Muge e João Afonso O Pastor De Bensafrim - José Afonso Vampiros - José Afonso Os Eunucos (No Reino Da Etiópia) - José Afonso

:: LINK-ME ::


Estou no blog.com.pt - comunidade de bloggers em língua portuguesa útil - home - pesquisa avançada - últimos posts - tops / estatísticas direito de resposta - área de utilizador - logout informação - ajuda / faqs - sobre o blog.com.pt - contacto - o nosso blog - blog.com.pt no Twitter - termos e condições - publicidade parceiros e patrocinadores
a href="http://s304.photobucket.com/albums/nn170/CarlaOliveira1977/?action=view¤t=premiodajoanina.jpg" target="_blank">Photobucket Photobucket

.Navegante do Infinito

Navegante do Infinito


Exibir minha página em poeticadigital

.Link-me

Dedução de despesas com saude animal em IRS MyFreeCopyright.com Registered & Protected

widgets
BlogBlogs.Com.Br
Site certificado
ofertas
ofertas de voos
voli economici londra
BlogBlogs
Visite Portugalmaresias

Exibir minha página em poeticadigital
blogs SAPO

.subscrever feeds